CONHECIMENTOS ETNOECOLÓGICOS DE PESCADORES DA RESEX MARINHA BAÍA DO IGUAPE SOBRE ECOLOGIA TRÓFICA EM AMBIENTE DE MANGUEZAL

Francisco Cousiño Casal, Francisco Bezerra Souto

Resumo


Manguezais são ecossistemas de transição entre os ambientes terrestre e marinho, sujeitos ao regime das marés e ocorrem em regiões costeiras abrigadas, apresentando condições propícias para alimentação, proteção e reprodução de muitos grupos de animais, como crustáceos. Os crustáceos, juntamente com os moluscos e peixes, formam o conjunto de recursos pesqueiros mais importantes para a manutenção de populações humanas em áreas de manguezal. Este ecossistema é abundante na Reserva Extrativista Marinha da Baía do Iguape, onde encontra-se a comunidade de pescadores do Angolá, localizada na zona periférica do município de Maragojipe, Recôncavo Baiano. No presente trabalho, realizou-se uma abordagem etnoecológica para compreensão da relação entre pescadores da comunidade do Angolá, o ambiente e crustáceos de importância econômica. A amostra dos informantes foi definida a partir de especialistas nativos e ampliada pela técnica de bola-de-neve. Foram realizadas entrevistas livres seguidas de entrevistas semi-estruturadas com 42 pescadores. Os conhecimentos dos profissionais da pesca mostraram ter relação direta com suas práticas, manifestadas em diversas técnicas e estratégias de captura de crustáceos. Os pescadores demonstraram apurados conhecimentos sobre diversos comportamentos tróficos de crustáceos explotados localmente (herbivoria, ictiofagia, iliofagia, saprofagia, canibalismo, entre outras) apresentando fortes correspondências com a literatura científica. Os dados obtidos reforçam a necessidade de se levar em consideração o conhecimento tradicional local na elaboração do futuro plano de manejo desta Unidade de Conservação.


Palavras-chave


pesca artesanal; cognição; comportamento alimentar; crustáceos; Maragogipe-BA

Texto completo:

Casal e Souto 2018

Referências


ALBUQUERQUE, U.P. Introdução. In: ALBUQUERQUE, U.P. et al. (Orgs.) Atualidades em etnobiologia e etnoecologia. Recife: SBEE. 2002. p. 9-16.

ALCÂNTARA-FILHO, P. Contribuição ao estudo da biologia e ecologia do caranguejouçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda, Brachyura), no manguezal do Rio Ceará (Brasil). Arquivos de Ciências do Mar 18(1-2): 1-41, 1978.

ALMEIDA, V.G. Aspectos da fauna. In: Baía de Todos os Santos: diagnóstico socioambiental e subsídios para a gestão. Salvador: Germen/UFBA-NIMA, 1997. p. 137-150.

ALVES, R.R.N. Estrutura populacional de Ucides cordatus (L., 1763)(Decapoda: Brachiura) e a atividade de coleta no manguezal do estuário do rio Mamanguape, Paraíba: um enfoque social e etnoecológico. Dissertação (Mestrado em Zoologia) Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, 2002. 139 p.

ANDRADE, J. Folclore na região do Salgado, Pará. Teredos na alimentação: profissões ribeirinhas. 2 ed. São Paulo: Escola de Folclore, 1983.

ARRUDA, R. “Populações tradicionais” e proteção dos recursos naturais em Unidades de Conservação. Ambiente & Sociedade 5: 79-92, 1999.

BAHIA PESCA. Perfil do setor pesqueiro (Litoral do Estado da Bahia). Salvador, 1994.

BAHIA. Boletim estatístico da pesca marítima e estuarina. Governo do Estado da Bahia – Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária. Bahia Pesca, 2002.

BAILEY, K. Methods of social research. New York: The Free Press, 1994.

BARBOZA, R.S.L. Interface conhecimento tradiconal – conhecimento cientifico: um olhar interdisciplinar da etnobiologia na pesca artesanal em Ajuruteua, Bragança – Pará. 126p. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Sistemas Costeiros e Estuarinos). Universidade Federal do Pará, Bragança – PA, 2006.

BARROS, F.B. Etnoecologia da pesca na Reserva Extrativista Riozinho do Afrísio – Terra do Meio, Amazônia, Brasil. Amazônica 4(2): 286-312, 2012.

BEGON, M. et al.. Ecologia: indivíduos a ecossistemas. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 752 p. 2007.

BLACKMORE, S.J. Imitation and the definition of a meme. Journal of Memetics - Evolutionary Models of Information Transmission 2, 1998.

BLACKMORE, S.J. The Meme Machine, Oxford, Oxford University Press, 1999.

BLACKMORE, S.J. Evolution and memes: The human brain as a selective imitation device. Cybernetics and Systems 32: 225-255, 2001.

BLACKMORE, S.J. About memes. 2006. Disponível em: http://www.susanblackmore.co.uk/memetics/aboutmemes.hmt. Acesso em : 01/12/2009.

BRAGA, T.M.P. Conhecimento local ribeirinho e sua aplicação para o manejo participativo na pesca da RESEX do Baixo Juruá, Estado do Amazonas. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ecologia- INPA), 2011. 164 p.

BRANCO, J. O. Aspectos bioecológicos do caranguejo Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustácea, Decapoda) do manguezal do Itacorubi, Santa Catarina, BR. Arq.Biol.Tecno. 30(1): 133-148, 1993.

BRITO, R.R.C. A gestão da Baía de Todos os Santos. Bahia Análise & Dados 11(2): 98-100, 2001.

BUCCI, T.M. Implementação da RESEX Marinha Ponta do Corumbau: Relações de atores e processos de mudanças. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente-PRODEMA), Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, Bahia, 2009. 116 p.

CARQUEIJA, C.R.G. e GOUVÊA, E.P. Hábito alimentar de Callinectes larvatus ORDWAY (CRUSTACEA, DECAPODA, PORTUNIDAE) no manguezal de Jiribatuba, Baía de Todos os Santos, Bahia. Revista Brasileira de Zoologia 15(1): 273-278, 1998.

CARVALHO-FILHO, A. Peixes da costa brasileira. São Paulo: Marca D’água. 1992. 304p.

CASAL, F.C. Maré, Mangue e Marisco: Etnoecologia da Pesca Artesanal de Crustáceos na Comunidade do Angolá (RESEX Marinha da Baía do Iguape), Maragojipe – Bahia. 282 p. Dissertação (Mestrado em Zoologia), Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, 2010.

CHALEGRE, K.Q.T. 2008. Fauna bêntica do infralitoral e alimentação natural de Callinectes danae Smith, 1869 (Crustácea, Portunidae) nos estuários dos rios Botafogo e Carrapicho, Pernambuco, Brasil. Dissertação (mestrado em oceonografia da Universidade Federal de Pernambuco). Recife, Pernambuco, 2008. 109 p.

CHAMY, P. Reservas Extrativistas Marinhas: um estudo sobre posse tradicional e sustentabilidade. In: I Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba. I Encontro da Assoc. nac. de Pós-Grad. e Pesquisa em ambiente e sociedade, 2002.

CHAMY, P. Reservas Extrativistas Marinhas como instrumento de reconhecimento do direito consuetudinário de pescadores artesanais brasileiros sobre territórios de uso comum. In: El Décimo Congreso Bienal de la Asociación Internacional para el Estudio de la Propiedad Colectiva (IASCP), 2004, Oaxaca. Los recursos de uso común en una era de transición global: retos, riesgos y oportunidades, 2004.

CIRANO, M. e LESSA, G.C. Oceanographic characteristics of Baía de Todos os Santos. Brasil. Revista Brasileira de Geofísica 25: 363-387, 2007.

COSTA-NETO, E.M. Etnoictiologia, desenvolvimento e sustentabilidade no litoral norte baiano: Um estudo de caso entre pescadores do Município de Conde. Dissertação (Mestrado, PRODEMA). Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Alagoas, 1998. 190 p.

DAWKINS, R. O Gene egoísta. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

DÍAZ, H. e CONDE, J. E. Population dynamics and life history of the mangrove crab Aratus pisonii (BRACHYURA, GRAPSIDAE) in a marine environment. Bulletin of Marine Science 45:148-163, 1989.

DIEGUES, A. C. S. A pesca construindo sociedades. São Paulo: NUPAUB-USP. 2004. 315 p.

FELEPPA, R. Emics, etics and social objetivity. Current Anthropology 27(3): 243-254, 1986.

FIGUEIREDO, J.L. e MENEZES, N.A. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil: Teleostei (1). São Paulo: Museu de Zoologia/ Universidade de São Paulo, 1978.

FIGUEIREDO, J.L. e MENEZES, N.A. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil: Teleostei (5). São Paulo: Museu de Zoologia/ Universidade de São Paulo, 2000.

FONTES, R.F.C. et al. Visão didática sobre o meio ambiente na Baixada Santista. São Vicente: Universidade Estadual Paulista, Campus Experimental do Litoral Paulista, 2008. 173 p.

GASPAR, M.H. Contribuição ao estudo biológico do siri Callinectes danae Smith, 1969 (Decapoda: Portunidae) do rio Itiberê (Paranaguá – PR). Dissertação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1981.

IBAMA. Decreto da criação da reserva extrativista marinha da Baía do Iguape. Brasília, 2000.

LEME, M.H.A. Ecologia Populacional de Aratus pisonii (H. MILNE EDWARDS, 1837) (Crustacea, Decapoda, Grapsidae) em uma área estuarina do litoral norte paulista. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 1995.

MAGALHÃES, H.F. et al. Local knowledge of traditional fishermenon economically importante crabs (Decapoda: Brachiura) in the city of Conde, Bahia State, Northestern Brazil). Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine 8(13): 2-9, 2012.

MARQUES, J.G.W. Aspectos ecológicos na etnoecologia dos pescadores do complexo estuarino-lagunar Mundaú-Manguaba, Alagoas. Tese (Doutorado em Ecologia). UNICAMP, Campinas-SP, 1991. 292 p.

MARQUES, J.G.W. Pescando pescadores: etnoecologia abrangente no baixo São Francisco. São Paulo: NUPAUB/USP. 1995. 304 p.

MARQUES, J.G.W. Pescando pescadores: ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. 2. ed. São Paulo: NUPAUB/Fundação Ford. 2001. 258 p.

MARTINS, V.S. Uma abordagem etnoecológica abrangente da pesca de polvos (Octopus spp.) na comunidade de Coroa Vermelha (Santa Cruz de Cabrália, Bahia). Dissertação (Mestrado em Sistemas Aquáticos Tropicais). UESC, Ilhéus-BA, 2008. 129 p.

MARTINS, V.S. As Cores negras da lama: etnoecologia abrangente na comunidade quilombola Salamina Putumuju, Recôncavo da Bahia. Tese de Doutorado, Universidade de Campinas, Campinas-SP, 2012.

MOURA, N.F.O. et al. A pesca artesanal do aratu, Goniopsis cruentata (Latreille, 1803) (Crustacea, Brachyura, Grapsidae) no litoral norte de Pernambuco – Brasil. Boletim Técnico e Científico do CEPENE/IBAMA, Tamandaré, 2003.

MOURA, F.B.P. et al. “Peixe sabido, que enxerga de longe”: Conhecimento ictiológico tradicional na Chapada Diamantina, Bahia. Biotemas: 21(3): 115-123, 2008.

MOURÃO, J.S. Classificação e ecologia de peixes estuarinos por pescadores do estuário do rio Mamanguape-PB. Tese (Doutorado em Ecologia) CCBS, Universidade Federal de São Carlos, PPGERN, São Carlos-SP, 2000. 199 p.

MOURÃO, J.S. e NORDI, N. Etnoictiologia de pescadores artesanais do estuário do rio Mamanguape, Paraíba, Brasil. B. Inst. Pesca 29(1): 9-17, 2003.

MORO-RIOS, R.F.et al. Manual de rastros da fauna paranaense. Curitiba: Instituto Ambiental do Paraná. 2008. 70 p.

NOMURA, H. Os mamíferos no folclore. Mossoró: Fundação Vingt-un Rosado (Coleção Mossoroense. Série C, volume 890), 1996.

PACHECO, R.S. Aspectos da ecologia de pescadores residentes na Península de Maraú – BA: pesca, uso de recursos marinhos e dieta. 80p. Dissertação (Mestrado em Ecologia), Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2006.

PINHEIRO, M.A.A. et al. Growth of the mangrove crab Ucides cordatus (Brachyura, Ocypodidae). Journal of Crustacean Biology 25(2): 293-301, 2005.

RUPPERT, E.E. et al. Zoologia dos invertebrados. 7 ed. São Paulo: Rocca, 2005.

SANTOS, E.C. e SAMPAIO, C.L.S. A Pesca artesanal na comunidade de Fernão Velho, Maceió (Alagoas, Brasil): de tradicional a marginal. Rev. Gest. Cost. Integ. 13(4): 513-524, 2013.

SANTOS, C.M. O cenário socioambiental resultante das intervenções humanas no entorno da Baía do Iguape – Bahia. Monografia de Graduação. Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências (monografia), Salvador-BA, 2008.

SANTOS, I.M.M e SANTOS, R. da S. A etapa de análise no método história de vida – uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm 17(4): 714-9, 2008.

SANTOS, J.L. et al. Estrutura populacional do camarão-branco Litopenaeus schimitti nas regiões estuarina e marinha da Baixada Santista, São Paulo, Brasil. B. Inst. Pesca 34(3): 375-389, 2008.

SANTOS, M.A. dos. A Experiência vivida na RESEX Marinha Baía de Iguape/BA: Diálogos de saberes, planejamento, educação e autonomia. Caminhos de Geografia- revista on line. 2008.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Manguezal: ecossistema entre a terra e o mar. São Paulo: Caribbean Ecological Research, 1995.

SICK, H. Ornitologia brasileira. 2ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

SILVA, J.E. Aspectos gerais sobre a alimentação de camorins (Centropomus undecimalis e Centropomus parallelus). In: ICB. Universidade Federal Rural de Pernambuco. (Ed.). Anais do ICB. Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife: Pernambuco. 1972. p. 33-41.

SILVA, J.T.e BRAGA, T.M. Caracterização da pesca na comunidade de Sacurá (RESEX Tapajós Arapiuns). Biota Amazonia 6(3): p.55-62, 2016.

SOUTO, F.J.B. A ciência que veio da lama: uma abordagem etnoecológica abrangente das relações ser humano/manguezal na comunidade pesqueira de Acupe, Santo Amaro, Bahia.. Tese (Doutorado em Ecologia e recursos naturais). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004. 319 p.

SOUTO, F.J.B. Uma abordagem etnoecológica da pesca do caranguejo Ucides cordatus, Linnaeus, 1763 (Decapoda: Brachyura), no manguezal do Distrito de Acupe (Santo Amaro-BA). Biotemas 20(1): 69-80, 2007.

SOUTO, F.J.B. A ciência que veio da lama: etnoecologia em área de manguezal. Recife: NUPEEA/Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia. Série estudos e debates, 2008a.

SOUTO, F.J.B. O bosque de mangues e a pesca artesanal no Distrito de Acupe (Santo Amaro, Bahia): uma abordagem etnoecológica. Acta Sci. Biol. Sci. 30(3): 275-282, 2008b.

SOUTO, F.J.B.e MARQUES, J.G.W. “O siri labuta muito!” Uma abordagem etnoecológica abrangente da pesca de um conjunto de crustáceos no manguezal de Acupe, Santo Amaro, Bahia, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 6 (Etnobiologia), 2006. p.106-119.

SZPILMAN, M. Peixes marinhos do Brasil: guia prático de identificação. Rio de Janeiro: M. Szpilman, 2000.

TEIXEIRA, R. L. e SÁ, H.S. Abundância de Macrocrustáceos Decápodas nas áreas rasas do Complexo Lagunar Mundaú/Manguaba, AL. Revista Brasileira de Biologia 3(58): 393- 404, 1998.

THÉ, A.P.G. Conhecimento ecológico, regras de uso e manejo local dos recursos naturais na pesca do alto-médio São Francisco, MG. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais). CCBS, Universidade Federal de São Carlos, PPGERN, São Carlos-SP, 2008. 199 p.

TOLEDO, V.M. What is ethnoecology? Origins, scope and implications of rising discipline. Etnoecologica 1(1): 5-27, 1992.

TONINI, W.C.T.et al. Dieta de juvenis do robalo Centropomus parallelus Poey, 1860 no sul da Bahia, Brasil. Bolet. Inst. Pesca 33(1): 85-91, 2007.

VANNUCCI, M. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

VANZOLINI, P.E. et al. Répteis das caatingas. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 1980.

WIEDEMEYER, W. Analysis of the benthic food web of a mangrove ecosystem at northeastern Brazil. Ph.D. Thesis. I.f.M. Kiel University, Germany, 1997. 155 p.

ZEINEDDINE, G.C. et al. Etnoecologia de pesca de camarões usados como isca viva na Barra do Uma, Peruíbe (SP/Brasil). Rev. Bras. Zoociênc 16: 67-83, 2014/2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v3i0.129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com