INVESTIGANDO O CONHECIMENTO ETNOHERPETOLÓGICO DOS CAFEICULTORES SOBRE AS SERPENTES DO MUNICÍPIO DE INCONFIDENTES, MINAS GERAIS

Brenda Silva Lima, Marcos Magalhães de Souza, Nilton Luiz Souto, Ana Bárbara Barros

Resumo


A relação entre homens e serpentes se demonstra estreita desde os tempos mais antigos, e devido às crenças atribuídas a esse grupo ela se tornou conflituosa e, na maioria das vezes, resulta na supressão desses animais na natureza. Sabendo que a humanidade busca identificar e categorizar os diversos grupos biológicos do planeta, a etnoherpetologia traz um estudo mais específico e delimita seu enfoque ao conhecimento, utilização, classificação e convivência com os répteis. Por isso, o presente estudo investiga o conhecimento sobre as serpentes por parte dos produtores rurais do município de Inconfidentes, localizado no sul do Estado de Minas Gerais. Os dados foram obtidos por meio de questionários estruturados nos meses de agosto de 2016 a agosto de 2017, aplicados em bairros de zona rural do município, totalizando 38 cafeicultores. Foram relatadas crenças e percepções atribuídas às serpentes, bem como de algumas etnoespécies foram registrados  dados ecológicos e comportamentais. Percebeu-se uma estreita relação da comunidade com as serpentes, entretanto, como pressuposto, a relação se mostra conflituosa, fazendo-se necessárias ações que busquem reverter essa situação. Sabe-se que as serpentes desempenham um efetivo papel ecológico nos ecossistemas em que estão inseridas, portanto, o presente estudo contribui para conscientização e preservação das serpentes, podendo ainda reduzir a subtração desses animais no ambiente natural.


Palavras-chave


Etnoherpetologia; Etnozoologia; Répteis; Conhecimento popular; Educação ambiental

Texto completo:

Lima et al. 2018

Referências


ARRUDA, L.F. Aspectos morfológicos e etno-herpetologia de duas espécies do gênero Sibynomorphus (Serpentes, Dipsadidae) no estado de Minas Gerais, Brasil. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Viçosa, 2016.

ALVES, R.R.N.; SOUTO, W.M.S.; MOURÃO, J.S. A etnozoologia no Brasil, Editora NUPEEA, 2010. p.123-147.

BARBOSA, A.R.; NISHIDA, A.K.; COSTA, E.S.; CAZÉ, A.L.R. Abordagem etnoherpetológica de São José da Mata – Paraíba – Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra 7(2): 117-123, 2007.

BARBOSA, A.R. Os humanos e os répteis da mata: uma abordagem etnoecológica de São José da Mata – Paraíba. João Pessoa-PB. Dissertação – Universidade Federal da Paraíba – Prodema, 2007.

BERNARDE, P.S. Anfíbios e repteis: introdução ao estudo da herpetologia brasileira. Curitiba: ed. Anolisbooks, 2012. 320 p.

BÉRNILS, R.S.; COSTA, H.C. 2014. Brazilian reptiles: List of species. Version 2012.2. Sociedade Brasileira de Herpetologia. http://www.sbherpetologia.org.br/checklist/ repteis.htm. Acesso em: 07 mar. 2017.

CARDOSO, C.C. et. al. Análise etnoherpetológica acerca das serpentes: influência no ensino de Biologia. In: XI SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PUCRS, Xl, 2010. Salão de iniciação cientifica. PUCRS. 2010. p. 148-150.

CHIZZOTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 4º ed, São Paulo: Cortez, 2006. 144 p.

COSTA, H.; MOURA, M.R.; FEIO, R.N. Serpentes de Viçosa e região (Minas Gerais). Belo Horizonte: FAPEMIG, Viçosa: UFV, 2008. 28 p.

COSTA-NETO, E.M. Fulgoria laternaria LINNAEUS, 1758 (Hemiptera:Fulgoridae) na concepção dos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Terezinha, Bahia, Brasil. Revista de Ciências Ambientais 1: 35-56, 2007.

FERREIRA, H.F. et al. Crenças associadas a serpentes no estado do Ceará, Nordeste do Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 11(2): 153-163, 2007.

FRAGA, R. et al. Guia de cobras da região de Manaus - Amazônia Central. Manaus: Editora Inpa, 2013. 156 p.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a. Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2002. 176 p.

LIMA-VERDE, J.S. Por que não matar as nossas cobras. In Herpetologia no Brasil I (L.B. Nascimento, A.T. Bernardes; G.A. Cotta, ed.). PUC/ Biodiversitas, Belo Horizonte, 1994. p. 92-101.

MATEUS, M.B., PINTO, L.C.L.; PIRES, M.R.S. A cobra de duas cabeças na percepção dos moradores do povoado de Itatiaia, Minas Gerais. Biotemas 24(3): 111-117, 2011.

MELGAREJO, A.R. Serpentes Peçonhentas do Brasil. In: J.L.C. Cardoso et al. (eds), Animais Peçonhentos no Brasil: biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo: Sarvier, 2003.

MOURA, M.R. et al. O relacionamento entre pessoas e serpentes no leste de Minas Gerais, sudeste do Brasil. Biota Neotropica 10(4): 133-142, 2010.

PAZINATO, D.M.M. Estudo etnoherpetológico: conhecimentos populares sobre anfíbios e repteis no municipio de caçapava do sul, Rio Grande do Sul. Monografia (Especialização) - Curso de Educação Ambiental, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

PIRES, M.R.S.; PINTO, L.C.C. Percepção ambiental sobre o conhecimento popular de moradores rurais relativo às serpentes e acidentes ofídicos. Ouro Preto: Educação Ambiental em Ação, 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE INCONFIDENTES. Geografia do município. http://inconfidentes.mg.gov.br/index.php/geografia. Acesso: 02/07/2016.

PORTILLO, J.T.M. Composição, etnoecologia e etnotaxonomia de serpentes no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto, 2012.

SANDRIN, M.F.N.; PUORTO, G.; NARDI, R. Serpentes e acidentes ofidicos: um estudo sobre os erros conceituais em livros didáticos. Investigação em ensino de Ciências 10(3): 281-298, 2005.

SANTOS-FITA, D.; COSTA-NETO, E.M. As interações entre os seres humanos e os animais: a contribuição da etnozoologia. Biotemas 20(4): 99-110, 2007.

SANTOS-FITA, D.. Cobra é inseto que ofende: classificação etnobiológica, questões sanitárias e conservação na região Serra da Jibóia, Estado da Bahia, Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Santa Cruz, 2008.

SILVA, M.L.V.; ALVES A.G.C.; ALMEIDA, A.V.A zooterapia no Recife (Pernambuco): uma articulação entre as práticas e a história. Biotemas 17(1): 95-116, 2004.

SILVA, M.V. Serpentes do Estado do Acre: riqueza, dieta, etnoconhecimento e acidentes ofídicos. Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2006.

TOLEDO, V.M. What is ethnoecology? Origins, scope and implications of a rising discipline. Etnoecológica 1: 5-21, 1992.

UETZ, P. How many species? In TIGR reptile database (P. Uetz; J. Hallerman). 2016 http://www.reptile-database.org/db-info/SpeciesStat.html. Acesso em: 18 out. 2016.

VIZOTTO, L.D. Serpentes: lendas, mitos, superstições e crendices. Editora Plêiade, 2003. 240 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v3i0.137

Apontamentos



Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com