O CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AS SERPENTES EM UMA COMUNIDADE RIBEIRINHA NO CENTRO-LESTE DA AMAZÔNIA

Lourival Baía Vasconcelos Neto, Hipócrates de Menezes Chalkidis, Ilka Andreyce da Silva Brito, Antonio Samuel Garcia da Silva

Resumo


A etnociência investiga a origem das atitudes e relações humanas com o ambiente. Nesse contexto, a etnozoologia estuda o conhecimento tradicional do homem sobre os animais. O presente trabalho tem como objetivo obter informações sobre o conhecimento tradicional dos moradores da comunidade de Paracari (Monte Alegre, Pará, Brasil) acerca das serpentes, questionando sobre como eles denominam, caracterizam e lidam com esses animais e com os possíveis acidentes. Para isso, durante três campanhas efetuadas nos meses de novembro e dezembro de 2015, questionários contendo tópicos previamente selecionados foram aplicados a 42 moradores selecionados aleatoriamente e que se dispuseram a contribuir. Destes, 95,23% alegaram já terem tido contato com serpentes e, com relação à hostilidade, 59,53% afirmaram matar a serpente independente da espécie.  Quanto à ocorrência de acidentes ofídicos no ciclo familiar, 61,90% dos entrevistados confirmaram tal ocorrência, mas apenas 38,46% procuraram atendimento médico. O tratamento de origem popular mais comumente mencionado no caso de picada de cobra foi um extrato de planta artesanal chamado "Pau-X", fabricado, engarrafado e vendido livremente na região. Apenas Eunectes murinus, Lachesis muta e Crotalus durissus foram corretamente identificadas e caracterizadas pelos moradores. Algumas espécies foram identificadas corretamente, mas, em várias ocasiões, foram caracterizadas incorretamente como venenosas ou não. Todos os entrevistados confirmaram nunca ter tido acesso a informações ou participado de práticas educativo-ambientais sobre serpentes, o que pode contribuir diretamente para o uso de práticas inadequadas na identificação das espécies e no tratamento de acidentes ofídicos.


Palavras-chave


Conhecimentos tradicionais; Etnozoologia; Humanos; Questionário; Serpentes

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. R. N., PEREIRA-FILHO, G. A.; LIMA, Y. C. C. Snakes used in ethnomedicine in Northeast Brazil. Environ. Development Sustain, v. 9, p. 455-464, 2007.

ANDREU, G. C. Mytos, leyendas y realidades de los reptiles de México. Ciencia Ergo Sum v. 7, n. 3, p. 286-291, 2000.

ARAÚJO, A. M. Folclore Nacional I: festas, bailados, mitos e lendas. Martins Fontes, São Paulo, 2004.

ARRUDA, L. F. Aspectos morfológicos e etno-herpetologia de duas espécies do gênero Sibynomorphus (Serpentes, Dipsadidae) no estado de Minas Gerais, Brasil. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Viçosa, 2016.

BALDWIN, M. The snakestone experiments. An early modern medical debate. Isis, v. 86, n. 3, p. 394-418, 1995.

BAPTISTA, E. R. Conhecimentos e práticas de cura em comunidades rurais amazônicas: Recursos terapêuticos vegetais. Manaus: Edua/Naea, 2012.

BAPTISTA, G. C. S.; COSTA-NETO, E. M.; VALVERDE, M. C. C. Diálogo entre concepções prévias dos estudantes e conhecimento científico escolar: relações sobre os Amphisbaenia. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 47, p. 1-16, 2008.

BARBOSA, A. R.; NISHIDA, A. K.; COSTA, E. S.; CAZÉ, A. L. R. Abordagem etnoherpetológica de São José da Mata, Paraíba, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 7, n. 2, p. 117-123, 2007.

BAYARD, J. P. A história das lendas. Ridendo Castigat Mores: Edição eletrônica, 1957.

BEGOSSI, A. Ecologia humana: um enfoque das relações homem-ambiente. Interciencia, v. 18, p. 121-132, 1993.

BEGOSSI, A.; HANAZAKI, N.; SILVANO, R. A. M. Ecologia humana, etnoecologia e conservação. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. (eds.) Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Seminário de Etnobiologia e Etnoecologia do Sudeste. UNESP, Rio Claro/SP. 2002.

BERLIN, B. General principles of classification and nomenclature in folk biology. American Anthropologist, v. 75 n. 1, p. 214-242, 1973.

BORGES, R. C. Serpentes peçonhentas brasileiras: manual de identificação, prevenção e procedimentos em caso de acidentes. São Paulo: Atheneu, 2001.

BRAZIL, V. Do emprego da peçonha em terapêutica. Biologie Medicale, v. 1, p. 7-21, 1934.

CARVALHO, W. D.; MUSTIN, K. The highly threatened and little-known Amazonian savannahs. Nature Ecology & Evolution, v. 1, n. 4, p. 1-3, 2017.

COSTA, H. C.; BÉRNILS, R. S. Lista de espécies de répteis brasileiros. Disponível em Acesso em 30 ago 2018.

COTTON, C. M. Ethnobotany: principles and aplications. Paperback, 1996.

DREWS, C. Attitudes, knowledge and wild animals as pets in Costa Rica. Anthrozoös, v. 15, n. 2, p. 119-138, 2002.

EITEN, G. Classificação da vegetação do Brasil. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico: Brasília, Brasil. 1983.

FRAGA, R.; LIMA, A. P.; PRUDENTE, A. L. C.; MAGNUSSON, W. E. Guia de Cobras da Região de Manaus - Amazônia Central. Manaus: Editora INPA, 2013. 303 p.

FREITAS, M. A. Distribuição geográfica, história natural e avaliação do status de conservação da jaracuçu-tapete, Bothrops pirajai (Amaral, 1923). 2008. Dissertação (Mestrado em Zoologia) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus. 2008.

FREITAS, M. A. Serpentes brasileiras. Lauro de Freitas: Malha-de-Sapo-Publicações. 2003.

FREITAS, M. A. Serpentes da Bahia e do Brasil. Feira de Santana: DALL, 1999.

GREENE, H. Snakes: the evolution of mystery in nature. University of California Press, Berkeley. 1997.

HANAZAKI, N. Comunidades, conservação e manejo: o papel do conhecimento ecológico local. Biotemas, v. 16, n. 1, p. 23-47, 2003.

HUBER, O. Neotropical savannas: their flora and vegetation. Trends in Ecology & Evolution, v. 2, n. 3, p. 67-71, 1987.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2004. Mapa de Biomas do Brasil Escala 1: 5000000. Disponível em . Acesso em 30 maio 2018.

LIMA, B. S.; SOUZA, M. M.; SOUTO, N. L.; BARROS, A. B. Investigating the ethnoherpetological knowledge of coffee farmers on the serpents of the municipality of Inconfidentes, Minas Gerais, Brazil. Ethnoscientia, v. 3, 2018.

MARQUES, J. G. W. Aspectos ecológicos na etnoecologia dos pescadores do complexo estuarino-lagunar Mundaú-Manguaba, Alagoas. Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade de Campinas, Campinas, 1991.

MARTIN, G. J. Ethnobotany: a method manual. Chapman and Hall, London. 2010.

MORRIS, R.; MORRIS, D. Men and snakes. Hutchinson, London. 1965.

MOURA, M. R.; COSTA, H. C.; SÃO-PEDRO, V. A.; FERNANDES, V. D.; FEIO, R. N. The relationship between people and snakes in eastern Minas Gerais, southeastern Brazil. Biota Neotropica, v. 10, n. 4, p. 132-141, 2010.

OLIVER, J. A. Snakes in fact and fiction. The Macmillian Company, New York. 1958.

POUGH, F. H.; ANDREWS, R. M.; CADLE, J. E.; CRUMP, M. L.; SAVITZKY, A. H.; WELLS, K. D. Herpetology. Second edition. New Jersey: Prentice-Hall, 2001.

POSEY, D. A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, D. (ed). Suma etnológica brasileira, volume 1. FINEP/Vozes, Rio de Janeiro, p.15-25, 1986.

POSEY, D. A. Indigenous knowledge and development: an ideological bridge to the future. Ciência e Cultura, v. 35, n. 7, p. 877-894, 1982.

RIBEIRO, M. G. Imaginário da serpente de A a Z. (Livro eletrônico). Campina Grande: EDUEPB, 2017.

ROCHA, S. F. R. As plantas medicinais usadas pela comunidade Caxiuanã, situada na Floresta Nacional de Caxiuanã, município de Melgaço – PA. Dissertação de Mestrado, UFRA, Belém-PA. 2006.

SARMIENTO, G. The ecology of neotropical savannas. Harvard University Press, 1984.

SAX, B. The mythical zoo: an A-Z of animals in world myth, legend, and literature. ABC-CLIO Inc., Santa Bárbara, USA, 2001.

SCHEPS, R. La science sauvage: des savoirs populaires aux ethnosciences. Éditions du Seuil, Paris, França, 1993.

SILVA, M. V. Serpentes do estado do Acre: riqueza, dieta, etno-conhecimento e acidentes ofídicos. Dissertação (Mestrado em ecologia e manejo de recursos naturais) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2006.

SOUZA, J. H. Os aracnídeos (Arachnida: Araneae, Scorpiones) na comunidade quilombola de Mesquita, Goiás: um estudo de caso sobre etnobiologia. Dissertação (Mestrado em Biologia animal). Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

SULOCHANA, A. K.; RAVEENDRAN, D.; KRISHNAMMA, A. P.; OOMMEN, O. V. Ethnomedicinal plants used for snake envenomation by folk traditional practitioners from Kallar forest region of South Western Ghats, Kerala, India. Journal of intercultural ethnopharmacology, v. 4, n. 1, p. 47, 2015.

VÁSQUEZ, J.; ALARCÓN, J. C.; JIMÉNEZ, S. L.; JARAMILLO, G. I.; GÓMEZ-BETANCUR, I. C.; REY-SUÁREZ, J. P.; JARAMILLO, K. M.; MUÑOZ, D. C.; MARÍN, D. M.; ROMERO, J. O. Main plants used in traditional medicine for the treatment of snake bites n the regions of the department of Antioquia, Colombia. Journal of ethnopharmacology, v. 170, p. 158-166, 2015.

VIZOTTO, L. D. Serpentes: lendas, mitos, superstições e crendices. Plêiade, São Paulo. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v3i0.157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com