ETNOBOTÂNICA E ESTRUTURA POPULACIONAL DA MANGABEIRA (Hancornia speciosa Gomes) EM ASSENTAMENTO AGROEXTRATIVISTA, PIRAMBU, SERGIPE, BRASIL

Thaiane Natalle Moreira Lima, Débora Moreira de Oliveira Moura, Laura Jane Gomes, Anabel Aparecida de Mello, Robério Anastácio Ferreira

Resumo


No Estado de Sergipe, o único Projeto de Assentamento de Reforma Agrária da modalidade Agroextrativista – o PAE São Sebastião – localiza-se no município de Pirambu, o qual foi criado com foco na geração de renda, decorrente do extrativismo e venda dos frutos da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes), da família Apocynaceae. O presente estudo foi realizado com o objetivo de investigar os moradores do PAE São Sebastião quanto ao conhecimento e às formas de manejo da espécie, bem como a estrutura populacional nos lotes produtivos. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e ferramentas do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) com 31 moradores do assentamento. A estrutura populacional foi avaliada por estágio de desenvolvimento e por classe de diâmetro, utilizando censo quali-quantitativo. Apesar dos moradores demonstrarem conhecimento sobre a espécie, observou-se a necessidade de desenvolvimento de padronização dos métodos de coleta e manejo ao contrário do que é feito atualmente, que não resulte na quebra de galhos e derrubada de flores. Foram registrados 1.154 indivíduos de mangabeira, resultando em uma densidade de 14,5 indivíduos por hectare. Aparentemente, a população de H. speciosa no PAE São Sebastião não está em crescimento, pois apresenta predominância de indivíduos distribuídos nas classes de diâmetro intermediárias, o que pode comprometer a continuidade da atividade extrativista dos frutos da referida espécie no PAE. 


Palavras-chave


Conservação; Extrativismo; Manejo Florestal; Mangaba; Produto Florestal Não Madeireiro

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR FILHO, S. P.; BOSCO, J.; ARAÚJO, L. A. A mangabeira (Hancornia speciosa Gomes): domesticação e técnicas de cultivo. João Pessoa: Emepa-PB, 1998.

ALBUQUERQUE, U. P. de. Introdução à etnobotânica. 1. ed. Recife: Bagaço, 2002.

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. (Orgs.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Pernambuco: NUPEA, 2010. p. 39-64.

ARAÚJO, T. A. S.; ALBUQUERQUE, U. P. (Orgs.). Encontros e desencontros na pesquisa etnobiológica e etnoecológica: os desafios do trabalho em campo. Recife: Nupeea, 2009.

ASSUNÇÃO, S. L.; FELFILI, J. M. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v. 18, p. 903-909, 2004. doi: 10.1590/S0102-33062004000400021

BERKES, F.; KISLAIOLGLU, M.: FOLKE, C.; GADGIL, M. Exploring the basic ecological unit: ecosystem-like concepts in traditional societies. Ecosystems, v. 200, n. 1, p. 409-415, 1998. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3658673?seq=1#page_scan_tab_contents

BRASIL. Resolução 196 de 10 de outubro de 1996. Conselho Nacional de Saúde. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos e dá outras providências. Brasília: Ministério de Saúde, 1996.

BRASIL. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; dá outras providências. Brasília: DOU de 21/5/2012.

BRITES, A. D.; MORSELLO, C. Efeitos ecológicos da exploração de produtos florestais não madeireiros: uma revisão sistemática. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 36, 2016. doi: 10.5380/dma.v36i0.43924

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1987.

FERNANDES, T.; MOTA, D. M. “É sempre bom ter o nosso dinheirinho”: sobre a autonomia da mulher no extrativismo da mangaba no Pará. Revista de Economia e Sociologia Rural (Impresso), v. 52, n. 1, p. 9-24, 2014. doi:10.1590/S0103-20032014000100001

FRAGA, R. G. R. Análise ecodinâmica da Reserva Biológica de Santa Isabel. AGIRAS: Revista AGIR de Ambiente e Sustentabilidade, v. 2, n. 1, p. 28, 2010.

GIROLDO, A. B. Efeitos dos gradientes ecológicos e antrópicos na estrutura e densidade populacional de Caryocar brasiliense Cambess. (pequizeiro) no Cerrado do Planalto Central. 2012. 45 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ecologia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

GOMES, L. J.; GOMES, M. A. O.; JESUS, N. B. de. Aspectos socioambientais da atividade extrativista de produtos florestais não madeireiros: os casos da fava-d’anta (Dimorphandra sp.) e da aroeira-da-praia (Schinus terebinthifolius Raddi). In: ALBUQUERQUE, U. P. de; HANAZAKI, N. (Orgs.) Árvores de valor e o valor das árvores: pontos de conexão. Recife: Nupeea, 2010.

GUIVANT, J. S. Heterogeneidade de conhecimentos no desenvolvimento sustentável. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 14, n. 3, p. 411-446, 1997.

HOFFMAN, W. A.; ADASME, R.; HARIDASAN, M.; CARVALHO, M. T.; GEIGER, E. L.; PEREIRA, M. A. B.; GOTSCH, S. G.; FRANCO, A. C. Tree topkill, not mortality, governs the dynamics of savanna-forest boundaries under frequent fire in Central Brazil. Ecology, v. 90, n. 5, p. 1326-1337, 2009. doi: 10.1890/08-0741.1

HOMMA, A. K. O. Extrativismo vegetal ou plantio: qual a opção para a Amazônia? Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 167-186, 2012. doi: 10.1590/S0103-40142012000100012.

INCRA. Portaria nº 268 de 23 de outubro de 1996. Dispõe sobre a criação da modalidade de Assentamento Agroextrativista. Brasília: DOU: nº 208, de 25/12/1996.

INCRA. Plano de desenvolvimento do projeto de assentamento agroextrativista São Sebastião. Pirambu: INCRA, 2009.

KRAMER, P. J.; KOZLOWSKI, T. T. Fisiologia das árvores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1972.

LEDERMAN, I. E.; SILVA JUNIOR, J. F.; BEZERRA, J. E. F.; ESPÍNDOLA, A. C. M. Mangaba (Hancornia speciosa Gomes). São Paulo: Jaboticaba, Série 2, 2000.

LEFREVE, F.; LEFREVE, A. M. C. Depoimento e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro, 2005.

LIMA, L. P. Etnobotânica quantitativa de plantas do Cerrado e extrativismo de mangaba (Hanconia speciosa Gomes) no Norte de Minas Gerais: implicações para o manejo sustentável. 2000. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – UNB, Brasília, 2008.

LIMA, I. L. P.; SCARIOT, A. Boas práticas de manejo para o extrativismo sustentável da Mangaba. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2011.

MACHADO, E. L. M.; GONZAGA, A. P. D.; CARVALHO, W. A. C.; SOUZA, J. S.; HIGUCHI, P.; SANTOS, R. M.; SILVA, A. C.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Flutuações temporais nos padrões de distribuição diamétrica da comunidade arbóreo-arbustivo e de 15 populações em um fragmento florestal. Revista Árvore, v. 34, n. 4, p. 723-732, 2010. doi: 10.1590/S0100-67622010000400017

MAGALHÃES, L. C. S.; FARIA, R. R.; DAMASCENO, J. Geraldo, A. Estrutura diamétrica de Dipteryx alata vog. em áreas com diferentes níveis de extração de frutos e antropização. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 7, n. 3, p. 135-142, 2012.

MARCOS, C. S.; MATOS, D. M. S. Estrutura de populações de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.) em áreas com diferentes graus de impactação na floresta da tijuca, RJ. Floresta e Ambiente, v. 10, n. 1, p. 27-37, 2003.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. São Paulo: Unicamp, 1991.

MING, L. C.; FERREIRA, M. I.; GONÇALVES, G. G. Pesquisas agronômicas das plantas medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 14, p. 131-137, 2012. doi: 10.1590/S1516-05722012000500001

NOGUEIRA, R. J. M. C; ALBUQUERQUE, M. B. Ecofisiologia. In: SILVA-JUNIOR, J. F. da; LÊDO, A. da S. (Orgs.) A cultura da mangaba. Aracaju: EMBRAPA Tabuleiros Costeiros, 2006. p. 35-42.

OLIVEIRA, D. M. de; SANTOS, L. A. S.; GOMES, L. J. Uso da flora em assentamento agroextrativista do litoral de Sergipe, Brasil. Guaju, v. 4, p. 163-183, 2018.

PARENTE, T. V.; BORGO, L. A.; MACHADO, J. W. B. Características físico-químicas de frutos de mangaba (Hancornia speciosa Gomes) do cerrado da região geoeconômica do Distrito Federal. Ciência e Cultura, v. 37, n. 1, p. 95-98, 1985.

PCIHN. Projeto cadastro da infraestrutura hídrica do nordeste. Diagnóstico do município de Pirambu. Pirambu, 2008.

PETERS, C. M. Sustainable harvest of non-timber plant resources in tropical moist forest: an ecological primer. Washington, D.C.: Biodiversity Support Program, 1994.

POSEY, D.A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, B. (Ed.). Suma Etnobiológica brasileira. Petrópolis: Vozes/Finep, 1987. p. 15-251.

RODRIGUES, R. F. de. A. et al. Mapa do extrativismo da mangaba em Sergipe: situação atual e perspectivas. Brasília, DF: Embrapa, 2017.

SANTANA, J. U. R.; CARVALHO, I. C. A.; GOMES, L. J. Em busca da sustentabilidade: mensuração e avaliação da dimensão social em assentamento agroextrativista no estado de Sergipe. Scientia plena, v. 8, n. 8, p. 1-11. 2012.

SCHMITZ, H.; MOTA, D. M. da; SILVA-JUNIOR, J. J. da; FRANCISCO, da J. Gestão coletiva de bens comuns no extrativismo da mangaba no nordeste do Brasil. Ambiente & Sociedade, 12 (2), 273-292, 2009. doi: 10.1590/S1414-753X2009000200005

SEMARH-SRH. Atlas digital sobre recursos hídricos de Sergipe. CD-ROM. 2015.

SILVA JUNIOR, J. J. da; MOTA, D. M. da; JUNQUEIRA, N. T. V. Representações de uma população tradicional de catadores acerca do extrativismo da mangaba no Litoral Sul de Sergipe. In: Simpósio Brasileiro sobre a Cultura da Mangaba. Anais… Aracaju, 2003.

TICKTIN, T. The ecological implications of harvesting non-timber forest products. Journal of Applied Ecology, v. 41, p. 11-21, 2004. doi: 10.1111/j.1365-2664.2004.00859.x

VERDEJO, M. E. Diagnóstico rural participativo: guia prático DRP. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)/Secretaria da Agricultura Familiar, 2007.

VIEIRA NETO, R. D.; CINTRA, F. L. D.; LEDO, A. S.; SILVA JUNIOR, J. F.; COSTA, J. L. S.; SILVA, A. A. G da; CUENCA, M. A. G. Sistema de produção de mangaba para os tabuleiros costeiros e baixadas litorâneas. Aracaju, SE: EMBRAPA-CPTAC, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com