PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS DAS ETNOCIÊNCIAS - CAMINHOS PASSADOS E FUTUROS

Bernardo Tomchinsky, Flávio Bezerra Barros, Eduardo Corona-M, Lin Chau Ming, James R Welch

Resumo


Este debate entre editores de revistas científicas que publicam trabalhos nas áreas de etnobiologia e etnoecologia foi proposto para fomentar uma discussão a fim de compreender aspectos relacionados ao processo editorial e às tendências dentro das respectivas áreas. Participaram editores das revistas Ethnoscientia, Ethnobiology Letters, Etnobiología e Amazônica: revista de antropologia, que redigiram perguntas norteadoras aos demais colegas. A partir deste debate observamos que todos os quatro editores possuem posicionamentos semelhantes sobre diversos temas acerca da publicação de trabalhos científicos nas áreas de etnobiologia e etnoecologia. Fica claro que estas revistas não impõe nenhuma linha restritiva quanto aos tipos trabalhos publicados e compartilham grande preocupação quanto à qualidade geral dos trabalhos publicados, às questões éticas atreladas a eles, bem como o respeito à diversidade, autonomia e a participação ativa dos povos e comunidades tradicionais colaboradoras. Outro fator comum a estas publicações é a preocupação com a democratização e acessibilidade às revistas, questão que as fazem buscar diferentes estratégias para viabilizar o acesso dos autores e também dos leitores. 


Palavras-chave


etnobiologia; etnoecologia; revistas científicas; tendências

Texto completo:

PDF

Referências


BALÉE, W.; NOLAN, J. Freelisting as a tool for assessing cognitive realities of landscape transformation: a case study from Amazonia. In: ISENDAHL, C.; STUMP, D. (Eds.). The Oxford Handbook of Historical Ecology and Applied Archaeology. Oxford: Oxford University Press, 2015. p. 1–21.

BARDANACHVILI, E. Quantidade não é qualidade: Pesquisadores criticam lógica produtivista e a “mania do fator de impacto”. Radis: Communicação e Saúde, v. 152, p. 24–27, 2015.

CONDE, B. E. et al. Local ecological knowledge and its relationship with biodiversity conservation among two Quilombola groups living in the Atlantic Rainforest, Brazil. PLOS ONE, v. 12, n. 11, p. e0187599, 28 nov. 2017.

DAVIDSON-HUNT, I. J.; IDROBO, C. J.; TURNER, K. L. The creativity of everyday life in crafting resilient food systems: a framework and case from the Atlantic Forest coast of Brazil. Human Ecology, v. 45, n. 5, p. 601–612, 1 out. 2017.

DOYLE, B. J.; ASIALA, C. M.; FERNÁNDEZ, D. M. Relative importance and knowledge distribution of medicinal plants in a Kichwa community in the Ecuadorian Amazon. Ethnobiology Letters, v. 8, n. 1, p. 1–14, 16 jan. 2017.

FORTH, G. “Fish” and “non-fish” in Lio and Nage: folk-intermediates and folk-generics in the fish classification of two Eastern Indonesian peoples. Ethnobiology Letters, v. 8, n. 1, p. 61–69, 27 jul. 2017.

FULBRIGHT BRASIL. Bolsas para brasileiros. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

HARRIS, M. et al. Explicit bias toward high-income-country research: a randomized, blinded, crossover experiment of English clinicians. Health Affairs, v. 36, n. 11, p. 1997–2004, 1 nov. 2017.

ISAAC, V. J. et al. Food consumption as an indicator of the conservation of natural resources in riverine communities of the Brazilian Amazon. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 87, n. 4, p. 2229–2242, dez. 2015.

LÖVBRAND, E. et al. Who speaks for the future of Earth? How critical social science can extend the conversation on the Anthropocene. Global Environmental Change, v. 32, p. 211–218, maio 2015.

MONTEBAN, M. Maternal knowledge and use of galactagogues in Andean communities of Cusco, Peru. Ethnobiology Letters, v. 8, n. 1, p. 81–89, 19 set. 2017.

MORALES, E. M. Q.; LEPOFSKY, D.; BERKES, F. Ethnobiology and fisheries: learning from the past for the present. Journal of Ethnobiology, v. 37, n. 3, p. 369–379, 15 set. 2017.

ROBBINS, M. C.; NOLAN, J. M.; CHEN, D. An improved measure of cognitive salience in free listing tasks: a Marshallese example. Field Methods, v. 29, n. 4, p. 395–403, 1 set. 2017.

SCIELO. Scientific Electronic Library Online. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.

SOCIETY OF ETHNOBIOLOGY. Ethnobiology Letters. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017a.

SOCIETY OF ETHNOBIOLOGY. Journal of Ethnobiology. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2018b.

SOCIETY OF ETHNOBIOLOGY. Forage! Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2018a.

SOCIETY OF ETHNOBIOLOGY. Contributions in Ethnobiology. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2018b.

WELCH, J. R.; MARSTON, J. M.; OLSON, E. A. Plurality in Ethnobiology: A Look Towards 2017. Ethnobiology Letters, v. 7, n. 1, p. 106, 30 dez. 2016.

YAMAMOTO, E. Pró-Reitoria de Pós-Graduação discute a avaliação da Capes 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.215

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com