ATIVIDADE PESQUEIRA NO RIO POTY, MUNICÍPIO DE CASTELO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL: CONHECIMENTO E USO DA FLORA

Joanice Costa Amorim, Karina Neoob de Carvalho Castro, Romildo Ribeiro Soares, Roseli Farias Melo de Barros, Ivanilza Moreira de Andrade

Resumo


Estudos sobre uso sustentável de recursos naturais a partir da valorização e aproveitamento de experiências adquiridas pelas comunidades são importantes para a definição de sistemas de manejo e incentivo ao conhecimento científico e tecnológico dessas comunidades. Objetivou-se levantar a compreensão que os pescadores artesanais da colônia Z-9, município de Castelo do Piauí, e seus familiares, possuem sobre o uso de plantas na pesca. Os dados foram coletados a partir de formulários semiestruturados.  Os métodos quantitativos utilizados foram Valor de Uso (VU), índices de Shannon-Wiener (H’), Simpson (D) e rarefação. Registraram-se 64 espécies, pertencentes a 54 gêneros e 30 famílias, sendo 56 espécies utilizadas pelos próprios peixes (42 como alimentícias, nove como berçário, oito como abrigo para desova e cinco como refúgio). Os resultados apontam a importância do uso de espécies vegetais na atividade pesqueira e na obtenção das informações para a conservação da biodiversidade da flora na região.


Palavras-chave


Atividade pesqueira, conhecimento tradicional, diversidade vegetal, etnobotânica, uso de plantas

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U.P.; ANDRADE, L.H.C. Uso de recursos vegetais da caatinga: o caso do agreste do estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Interciência, Caracas, v. 27, n. 27, p. 336-346. 2002.

ALBUQUERQUE, U.P. Introdução à etnobotânica. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2005.

ALBUQUERQUE, B.W. Frugivoria e ictiocoria em uma área de várzea na Amazônia Central Brasileira. 2015. 82 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2015.

ALMEIDA, M.Z. Plantasmedicinais. 3. ed. Salvador: EDUFBA, 2011.

ALMEIDA, A.F.; JARDIM, M.A.G. A utilização das espécies arbóreas da floresta de várzea da Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil por moradores locais. Revista Brasileira de Ciências Ambientais,Belém, v. 23, n. 1, p. 48-54, 2012.

AMORIM, A.N. Etnobiologia da comunidade de pescadores artesanais urbanos do bairro Poti Velho, Teresina/PI, Brasil. 2010. 124 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010.

ANDRADE, I.L.M.M.; LUCENA, E.A.R.M.; CHIAPETTI, J.; PEREIRA, R.C.A.; MIELKEM. S. Espécies arbóreas utilizadas por pescadores para a construção de jangadas, Área de Proteção Ambiental Costa de Itacaré-Serra Grande, Bahia, Brasil. Revista Rodriguésia,Ilhéus,v. 67, n. 1, p. 45-53, 2016.

ANDRADE, I.M.; SILVA, M.F.S.; COSTA, M.C.A.; MAYO, S.J. Guia de campo macrófitas do Delta do Parnaíba. Parnaíba: EDUFPI, 2014.

APG IV. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society, p. 181:1-20, 2016.

APOLINÁRIO, F. Introdução à análise quantitativa de dados. In: APOLINÁRIO, F. (ed). Metodologia científica: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Thomson Leaming, 2006. p. 145-168.

AZEVEDO, B.R.L. A importância socioambiental da bacia hidrográfica do rio Poty na formação da identidade cultural Piauiense. Castelo do Piauí. Carta Cepro, Teresina, v. 24, p. 1-7, 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 de nov. 2018.

BALDUÍNO JÚNIOR, A.L.; BALDUINO, T.Y.; FRIEDERICHS, G.; CUNHA, A.B.; BRAND, M.A. Energetic potential of bamboo culms for industrial and domestic use in Southern Brazil. Revista Ciências Rural,Santa Maria, v. 46, n. 11, p. 1963-1968, 2016.

BARBOSA, A.R. Os humanos e os répteis da mata: uma abordagem etnoecológica de São José da Mata – Paraíba. 2007. 144 f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

BAPTISTA, M.M.; RAMOS, M.A.; ALBUQUERQUE, U.P.; COELHO-DE-SOUZA, G.; RITTER, M.R. Traditional botanical knowledge of artisanal fishers in southern Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 9, n. 54, p. 1-16, 2013.

BEGOSSI, A. Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia.São Paulo: HUCITEC; NEPAM/UNICAMP, 2004.

BEGOSSI, A.; OLIVEIRA, E.C.; NAKANO, H. Ecologia de pescadores artesanais da Baía de Ilha Grande.Rio de Janeiro: IBIO/Ministério da Justiça, 2009.

BERNARD, H.R. Research in cultural anthropology. Newbury Park: Sage, 1988.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Nova delimitação do semiárido brasileiro. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral.Projeto RADAM - Levantamento dos recursos naturais, v. 2, folha SB. 23 / 24 - Teresina / Jaguaribe; geologia, geomorfologia, solos, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1973.

CAMARGO, M.T.L.A. Contribuição etnofarmacobotânica ao estudo de Petiveria alliacea L. – Phytolacaceae – (“amansa-senhor”) e a atividade hipoglicemiante relacionada a transtornos mentais. Dominguezia, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 21-27, 2007.

CARNEIRO, D.B.; BARBOZA, M.S.L.; MENEZES, M.P. Plantas nativas úteis na vila de pescadores da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Tapiraçu, Pará, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belém, v. 24, n. 4, p, 1027-1033, 2010.

COLWELL, R.; CODDINGTON, J.A. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation. Philos. Trans. R. Soc. London B series, London, v. 345, p. 101-118,1994.

COLWELL, R.K. User’s guide to EstimateS5 statistical. Estimation of species richness and shared species from samples. Version 7.0.0.Copyright 1994-2004. Disponível em: . Acesso em: 13 de set. 2019.

DIEGUES, A.C.; ARRUDA, R.S.V. Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. In: DIEGUES, A.C. (Org.). Biodiversidade e comunidades tradicionais no Brasil.Brasília: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2000.

DOMINGUEZ, D.R.; HEREDIA, L.B.; MARTÍNEZ, E.C.; LORES, R.I. Efecto del extracto hipoglicemiante de Petiveria alliacea L. sobre el consumo de glucosa por los eritrócitos.Revista Cubana de Investigaciones Biomedicas, La Habana, v. 21, n. 3, p. 161-166, 2002.

FLORA DO BRASIL 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em . Acesso em: 10 de jul. 2018.

FONSECA-KRUEL, V.S.; PEIXOTO, A.L. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasílica,Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 177-190, 2004.

GANDOLFO, E.S.; HANAZAKI, N. Etnobotânica e urbanização: conhecimento e utilização de plantas de restinga pela comunidade nativa do distrito do Campeche (Florianópolis, SC). Acta Botanica Brasilica, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 168-177, 2011.

GENEROSO, A.L.; SANTOS, J.O.; CARVALHO, V.S.; SACOMAN, N.N.; RODRIGUES, R.S. Proposal for qualitative and quantitative descriptors to characterise bamboo germplasm. Revista Ciência Agronômica,Fortaleza, v. 47, n. 1, p. 47-55, 2016.

GOMES, P.B. Avaliação dos efeitos centrais e antinociceptivos das frações isoladas da raiz de Petiveria alliacea L. (tipí) em camundongos. 2006. 174 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2006.

GOMES, J.M.A.; NASCIMENTO, W.L. Visão sistêmica da cadeia produtiva da carnaúba. In: GOMES, J.M.A.; SANTOS, K.B.; SILVA, M.S. (Orgs). Cadeia produtiva da cera de carnaúba: diagnóstico e cenários. Teresina: EDUFPI, 2006.

GOTELLI, N.J.; ENTSMINGER, G.L. EcoSim: null models software for ecology. Version 7.0. Acquired Intelligence Inc. & Kesey-Bear. 2001.

HANAZAKI, N. Etnobotânica. In: HANAZAKI, N. (Org.)Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo: HUCITEC, 2004. p. 37-57.

HEGEL, C.G.Z.; MELO, E.F.R.Q. Macrófitas aquáticas como bioindicadoras da qualidade da água dos Arroios da RPPN Maragato. Revista em Agronomia e Meio Ambiente, Maringá,v.9, n. 3, p. 673-693, 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo populacional. 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,Castelo do Piauí, Piauí, Brasil. v.4, n.3, p. 28. 2017. Disponível em: . Acesso em: ago. 2019.

KREBS, C.J. Ecological methodology. New York: Harper & Row Publishers, 1989.

LOPES, L.C.M.; LOBÃO, A.T. Etnobotânica em uma comunidade de pescadores artesanais no litoral norte do Espírito Santo, Brasil. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão,Santa Teresa, (N. série), v. 32, p. 29-52, 2013.

LUCENA, R.F.P.; MEDEIROS, P.M.; ARAÚJO, E.L.; ALVEES, A.G.C.; ALBUQUERQUER, U.P. The ecological appearance hypothesis and the importance of useful plants in rural communities from Northeastern Brazil: an assessment based on use value. Journal of Environmental Management, v. 96, n. 1, p. 106-115, 2012.

MACEDO, R.M.; SOUZA, C.S.; MEDEIROS, L.C.; COSTA, D.F.S.; ROCHA, R.M. Macrófitas aquáticas como indicadoras do status de conservação dos reservatórios do semiárido do Brasil – estudo de caso no açude Itans (Caicós-RN). Revista de Biologia e Ciência da Terra,Campina Grande, v. 12, n. 1, p. 49-56, 2012.

MAGURRAN, A. Ecological diversity and its measurement. London: Croom-Helm, 1988.

MEDEIROS, M.F.T.; ALBUQUERQUE, U.P. Dicionário brasileiro de etnobiologia e etnoecologia. Recife: NUPEEA, 2012.

MELO, R.A.; DEUS, F.J.A. “As várias facetas de uma História”. Castelo do Piauí: Halley, 2008.

MERÉTIKA, A.H.C.; PERONI, N.; HANAZAKI, N. Local knowledge of medicinal plants in three artisanal fishing communities (Itapoá, Soutervan Brazil), according to gender, age, and urbanization. Acta Botanica Brasilica, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 386-394, 2010.

MORAIS, F.F.; SILVA, C.J. Conhecimento ecológico tradicional sobre fruteiras para pesca na comunidade de Estirão Comprido, Barão de Melgaço – Pantanal Mato-grossense. Biota Neotropical, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 197-203, 2010.

MORI, A.S.; SILVA, L.A.M.; LISBOA, G.; CORADIN, L. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. 2. ed. Ilhéus: CEPLAC: CEPLEC, 1989.

MUNIZ, C.C.; ALENCAR, S.S.; ANDRADE, M.L.F.; OLIVEIRA JUNIOR, E.S.; FURLAN, A.O.; CARNIELLO, M.A. Dispersão de sementes por Piaractusmesopotamicus Holmberg, 1887 (Osteichthyes, Characidae) na Estação Ecológica de Taiamã, Pantanal Norte, MT. Ambiência - Revista do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais, Guarapuava, v.10, n.3, p. 663-676, 2014.

NASCIMENTO, M.G.P. Etnobotânica e Etnozoologia em comunidades pesqueiras de Parnaíba e Cajueiro da Praia, Piauí, Brasil. 2014. 144 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2014.

NISHIDA, A.K.; NORDI, N.; ALVES, R.R.N. Embarcações utilizadas por pescadores estuarinos da Paraíba, Nordeste Brasil. Revista de Biologia e Farmácia, João Pessoa, v. 3, n. 1, p. 45-52, 2008.

OLIVEIRA, F.R. Avaliação antifúngica, farmacognóstica e toxicológica sazonal de Petiveria alliacea L. (Phytolacaceae). 2012. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

PANTOJA, S.C.S.; SUL, N.A.S.; MIGUEL, N.N. Levantamento etnobotânico de Petiveriaalliacea L. (Phytolacaceae) comercializadas no mercadão de Madureira-RJ. Revista Eletrônica Novo Enfoque, Rio de Janeiro, v. 17, n. 17, p. 184-190, 2013.

PASA, M.C.; SOARES, J.J.; GUARIM NETO, G. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Botanica Brasilica, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 195-207, 2005.

PESSOA, C.R.M.; MEDEIROS, R.M.T.; RIET-CORREA, F. Importância econômica, epidemiologia e controle das intoxicações por plantas no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira,Rio de Janeiro, v. 33, n. 6, p. 752-758, 2013.

RIBEIRO, L.G. G.; BRITO, N.B.V. Participação das comunidades tradicionais na lei de acesso aos recursos genéticos: diálogos com a Teoria Discursiva do Direito em Habermas. Revista Brasileira de Direito,Passo Fundo, v. 14, n. 1, p. 149-175, 2018.

ROQUE, T.V. Conhecimento e uso de espécies arbóreas para construção e manutenção de canoas-de-um-pau-só no litoral central de Santa Catarina. 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado em Biologia de Fungos, Algas e Plantas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

ROSSATO, S. C.; LEITÃO FILHO, H. F.; BEGOSSI A. Ethnobotany of caiçaras of the Atlantic Forest Coast (Brazil). Economic Botany, Campinas, v.53, n. 4, p. 377-385, 1999.

SANTANA, G.M.; LELIS, R.C.C.; JAGUARIBE, E.F.; MORAIS, R.M.; PAES, J.B.; TRUGILHO, P.F. Development of activated carbon from bamboo (Bambusa vulgaris) for pesticide removal from aqueous solutions. Revista Cerne, Larvas, v.3, n. 1, p. 123-132, 2017.

SANTOS, F.A.; AQUINO, C.M.S. Características geoambientais de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí, nordeste, Brasil. Geografia em Questão,Teresina,v. 8, n. 2, p. 27-42, 2015.

SANTOS, K.P.P.; SOARES, R.R.; BARROS, R.F.M. Atividade pesqueira e construção de embarcações na colônia de pescadores Z-18 do município de União/ PI. Holos, Natal, v. 31, n. 6, p. 90-106, 2015.

SANTOS, K. P. P. Etnozoologia e Etnoecologia na Comunidade de Pescadores Artesanais de Miguel Alves, PI/Brasil. 2017. 199 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina.

SILVA, V.G. O Antropólogo e sua magia. São Paulo: Edusp, 2000.

SILVA, S.S.L. Caracterização ecológica e estrutural de macrófitas em reservatórios no estado de Pernambuco. 2011. 107 f. Tese (Doutorado em Botânica) – Universidade Rural de Pernambuco, Recife, 2011.

SILVA, A.B. Conhecimento ecológico tradicional do manejo da ictiofauna na comunidade de pescadores artesanais de Amarante, Piauí, Brasil. 2018. 65 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2018.

SOUSA, R.S.; HANAZAKI, N.; LOPES, J.B.; BARROS, R.F.M. Are gender and age important in understanding distribution of local botanical knowledge in fishing communities of the Parnaiba Delta? Ethnobotany Research & Applications,Manoa, v. 10, p. 551-559, 2012.

THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R. Water balance. New Jersey: Drexel Institute of Technology, v. 8, n. 1, 1955.

VÁSQUEZ, S.P.F.; MENDONÇA, M.S.; NODA, S.N. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Revista Acta Amazônica,Manaus, v. 44, n. 4, p. 457-472, 2014.

WIRYONO; JAPRIYANTO; ERNIWATIJ, E. The diversity of locally utilized plants and local botanical knowledge in Central Bengkulu District, Bengkulu Province, Indonesia. Biodiversitas, Bengkulu, v. 18, n. 4, p. 1589-1595, 2017.

W3trópicos. [Online Database]. Missouri Botanical Garden. MOBOT. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.229

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com