O USO DO JOGO NO ENSINO DE BIOLOGIA: UMA PROPOSTA LÚDICA BASEADA NO DIÁLOGO INTERCULTURAL

Emanuele Maria Leite Suzart, Geilsa Costa Santos Baptista, Eraldo Medeiros Costa-Neto

Resumo


O presente estudo tem como objetivos apresentar e sugerir um jogo, o qual foi construído a partir de uma tese sobre o conhecimento etnoentomológico de uma comunidade e o conhecimento científico escolar acerca dos insetos. Para a escrita desse trabalho, foram realizadas a leitura da tese e do conteúdo sobre insetos contidos nos livros didáticos de Biologia e, em seguida, a seleção das informações a serem utilizadas na elaboração do jogo. Nos resultados, foram apontadas as possibilidades de diálogo entre os conhecimentos científico escolar e etnoentomológico sobre os insetos. Nesse sentido, concluiu-se que uma das contribuições é a valorização da pluralidade de conhecimentos presentes na aula. Sendo assim, o recurso precisa ser aplicado na aula de Biologia das escolas da própria comunidade com o objetivo de ser validado e aprimorado.


Palavras-chave


Cultura; Conhecimento; Ensino de Ciências; Etnobiologia; Interculturalidade

Texto completo:

PDF

Referências


AIKENHEAD, G. S. Science communication with the public: a cross-cultural event. In: BRYANT, C.; GORE, M.; STOCKLMAYER, S. (Eds.). Science communication in theory and practice. Amsterdam: Kluwer, 2001, p. 23-45.

ALBUQUERQUE, U. P; ALVES, A. G. C. O que é etnobiologia? In: ALBUQUERQUE, U. P. (Org.). Introdução à etnobiologia, Recife: NUPEA, 2014, p. 17-22.

ALVES, L. Videojogos e aprendizagem: mapeando percursos. In: CARVALHO, A. A. (Org.). Aprender na era digital - jogos e mobile learning. Santo Tirso: De Facto Editores, v. 01, 2012, p. 11-28.

AMABIS, J. M.; MARTHO, G.R. Biologia dos Organismos. São Paulo: Moderna, 2004, 685 p.

AMABIS, J. M.; MARTHO, G.R. Biologia dos Organismos. São Paulo: Moderna, 2016, 352 p.

BAPTISTA, G. C. S. A contribuição da etnobiologia para o ensino e a aprendizagem de ciências: estudo de caso em uma escola pública do estado da Bahia. 2007. (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2007.

BAPTISTA, G. C. S. Importância da demarcação de saberes no ensino de ciências para as sociedades tradicionais. Ciência & Educação, v. 16, n. 3, 2010, p. 679-694.

BAPTISTA, G. C. S. Do cientificismo ao diálogo intercultural na formação do professor e ensino de ciências. Interacções, Lisboa, v. 10, n. 31, 2014, p. 28-53.

BAPTISTA, G. C. S. Contribuições da etnobiologia para o ensino aprendizagem de ciências. Curitiba: Appris, 2015, 175 p.

BAPTISTA, G. C. S.; DA SILVA SANTOS, R.; COBERN, W. W. Perspectives on the Origins of Life in Science Textbooks from a Christian Publisher: Implications for Teaching Science. International Journal of Science and Mathematics Education, v. 14, n. 2, p. 309-326, 2016.

BOGDAN, R.; BIRKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994, 336 p.

BRASIL. Ministério da Educação. PNLD 2018: biologia – guia de livros didáticos – Ensino Médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica, 2017. 92 p.

BRITO, F. M. et al. Dinamizando e motivando o aprendizado escolar por meio dos jogos pedagógicos. Holos, v. 2, 2015, p. 264-272.

BRUSCA, R. C.; BRUSCA, G. J. Invertebrados. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Kooghan, 2007.

COBERN, W. W. Constructivism and non-western science education research. International Journal of Science Education, Routledge, v. 4, n. 3, 1996, p. 287-302.

COBERN, W. W.; LOVING, C. C. Defining “science” in a multicultural world: implications for science education. Science Education, New York, v. 85, n. 1, 2001, p. 50-67.

COSTA-NETO, E. M. Etnoentomologia no Povoado de Pedra Branca, município de Santa Terezinha, Bahia. Um estudo de caso das interações seres humanos/insetos. 2003. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2003.

DE ANDRADE COSTA, R. G. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Revista Didática Sistêmica, v. 8, p. 162-172, 2008.

DIEGUES, A. C. Os Saberes Tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2000, 211 p.

FERNANDES, C. W. R; RIBEIRO, E. L. P. Games, gamificação e o cenário educacional brasileiro. CIET: EnPED, 2018, p. 1-22. Disponível em: http://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2018/article/view/344. Acessado em: 8 jan. 2019.

HUIZINGA, J. Homo ludens: O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2000, 162 p.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008, 197 p.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER, F; PACCA, H. Biologia Hoje. São Paulo: Ática, 2014, 384 p.

LOPES, A. R. C. Pluralismo cultural em políticas de currículo nacional. In: MOREIRA, A. F. B. (Org.). Currículo: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 1999. p. 59-80.

LOPES, S. Bio. São Paulo: Saraiva, 2004.

LOPES, S; ROSSO, S. Bio. São Paulo: Saraiva, 2016.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativa. Rio de Janeiro: EPU, 2015, 112 p.

MARQUES, J. G. W. Pescando Pescadores. 2. ed. São Paulo: NUPAUB-USP, 2001. 258 p.

MARTINS, I.C.P.; BRAGA, P.E.T. Jogo didático como estratégia para o ensino de divisão celular. Essentia, v.16, n.2, jan/jun, 2015, p. 1-21.

MARTINS, K. V. M.; BAPTISTA, G. C. S.; ALMEIDA, R. O. Construindo um recurso didático a partir dos saberes tradicionais: implicações e proposições para o ensino intercultural de biologia. Revista de Ensino de Biologia da associação Brasileira de Ensino de biologia (SBENBio), v. 9, p. 2392-2403, 2016. Disponível em: http://www.sbenbio.org.br/wordpress/wp-content/uploads/renbio-9/pdfs/1935.pdf. Acesso em: 12 dez. 2017.

MIRANDA, F. S.; STADZISZ, P. C. Jogo Digital: definição do termo. In: Simpósio Brasileiro de Jogos e Entreterimento Digital (SBGmaes), 2017, p. 296-299. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/324892358_Jogo_Digital_definicao_do_termo.

NASCIBEM, F. G.; VIVEIRO, A. A. Para além do conhecimento científico: a importância dos saberes populares para o ensino de ciências. Interacções, Lisboa, v. 11, n. 39, 2015, p. 285-295. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/8738. Acessado em: 8 jan. 2019.

POSEY, D. A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, D. (Ed.). Suma etnológica brasileira. 3. ed. Petrópolis: Vozes, v. 1, 1987, p. 1-15. Disponível em: ftp://neppi.ucdb.br/pub/cedoc/pdf/ETNOBIOLOGIA.pdf. Acessado em: 05 dez. 2016.

POSNER, G. J. et al. Accommodation of a scientific conception: Toward a theory of conceptual change. Science education, New York, v. 66, n. 2, p. 211-227, 1982.

RAMOS, A.; FARIA, P. M.; FARIA, Á. Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em Ciências da Educação. Revista Diálogo Educacional, v. 14, n. 41, 2014, p. 17-36.

RODRIGUES, C. et al. Uma hipótese curricular para a formação continuada de professores de ciências e de matemática. Ciência & Educação, v. 16, n. 2, 2010, p. 415-426.

SEPULVEDA, C. A. S. A relação Religião e Ciência na trajetória profissional de alunos protestantes da licenciatura em Ciências Biológicas. 2003. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2003.

SILVA, E. A. O.; BAPTISTA, G. C. S. Un recurso acerca de los hongos para el diálogo intercultural en la enseñanza de biología. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias: Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, v. 12, n. 2, 2017, p. 142-157.

SIQUEIRA, A. B. Etnobotânica no Currículo de Ciências na Educação de Jovens e Adultos. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 26, 2011, p. 1-16. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3348. Acessado em: 17 mar. 2019.

SIQUEIRA, A. B. Etnobiologia como metodologia no ensino de ciências. In: IV Simpósio sobre Formação de Professores–SIMFOP, Anais [...] Santa Catarina: Unisul, v. 4, 2012, p. 1-7. Disponível em: http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/eventos/simfop/artigos_IV%20sfp/_Andr%C3%A9_Siqueira.pdf. Acessado em: 17 mar. 2019.

VERDE, A. et al. La Etnobiología como materia transversal en el currículo de educación secundaria. Una experiencia en Castilla La-Mancha (España). ENSAYOS, n. 24, 2009, p. 149-162.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.234

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com