ENTRE A TERRA E A ÁGUA: A PESCA E O CONHECIMENTO ETNOICTIOLÓGICO DOS PESCADORES ARTESANAIS

Joanice Costa Amorim, Romildo Ribeiro Soares, Roseli Farias Melo de Barros, Ivanilza Moreira de Andrade

Resumo


A pesca artesanal tem como característica principal o uso da mão de obra familiar, embarcações de pequeno porte e apetrechos tradicionais e rudimentares para a captura de peixes. Objetivou-se investigar o conhecimento etnoictiológico dos pescadores artesanais da colônia de pescadores Z-9 residentes no município de Castelo do Piauí, Piauí. Levantou-se dados qualitativos e quantitativos com 55 informantes, por meio de entrevista semiestruturada. Os dados foram compilados e analisados utilizando os programas estatísticos Excel, BioEstat 5.0 e EstimateS Win 9.10. Para análise dos dados calcularam-se o Valor de Uso (VU), Fator de Consenso dos Informantes (FCI), Importância Relativa (IR), além de índices de diversidade, tais como Shannon-Wiener, Simpson e rarefação. Registrou-se 49 espécies, 33 gêneros e 20 famílias de peixes, distribuídas em três categorias de uso: alimentícia, comercial e medicinal. Prochilodus lacustris Steindaches, 1907 (crumatá) apresentou maior valor de uso geral e potencial (VU geral = 2,02; VU potencial = 1,85), seguida das espécies Leporinus friderici Bloch, 1974 (piau-de-coco) e Schizodon dissimilis Garman, 1890 (piau-de-vara), ambas com VU geral = 1,78 e VU atual= 1,75. Dentre as doenças citadas, a categoria com maior valor de Fator de Consenso dos informantes (FCI) foi a de Lesões, envenenamentos e algumas outras consequências de causas externas (FCI=1), seguida de doenças do aparelho respiratório (FCI=0,93). De acordo com o índice de importância relativa (IR), as espécies mais versáteis foram Potamotrygon signata Garman, 1913 (arraia, IR = 2,00), seguida de Hoplias aff. malabaricus Bloch, 1794 (traíra, IR = 1,82) e P. lacustris (crumatá, IR = 1,39).  A atividade pesqueira no município de Castelo do Piauí é realizada no rio Poti, os pontos de pesca citados foram: Poço Amarelo, rio Cais, Cânion do Poti e Mesa de Pedra, e a distância percorrida para a pesca pode ser superior a 60 km. Foram registrados seis tipos de apetrechos de pesca: anzol de linha, anzol de vara, engancho, groseira, rede de emalhe e tarrafa. Algumas espécies, tais como P. lacustris, foram citadas como “reimosas”. Deste modo, pode-se dizer que os pescadores artesanais são detentores de conhecimento empírico da atividade pesqueira.

Palavras-chave


Apetrechos de pesca, Etnoictiologia, peixes medicinais, reima, tabus alimentares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P. et al. Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: NUPEEA, 2004.

ALBUQUERQUE, U. P. et al. Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: NUPEEA, 2010. 560 p.

AMORIM, A. N. Etnobiologia da comunidade de pescadores artesanais urbanos do bairro Poti Velho, Teresina/PI, Brasil. 2010. 124 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, PI. Teresina.

APOLINÁRIO, F. Introdução à análise quantitativa de dados. In: Metodologia científica – Filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Thomson Leaming. 2006. p. 145-168.

ARAÚJO, M. P. Etnobiologia da comunidade pesqueira Passarinho, Ilha das Canárias, Reserva Extrativista Marinha Delta do Parnaíba/PI. 2013. 142 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina.

BAPTISTA, C. P. B. O conhecimento ecológico local e a percepção ambiental de uma população de pescadores do Rio Grande do Sul. 2011. 91 f. Tese (Doutorado em Biologia) Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

BARBOSA, A. R. Os humanos e os répteis da mata: uma abordagem etnoecológica de São José da Mata – Paraíba. 2007. 144 f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

BEGOSSI, A.; GARAVELLO, J. C. Notes on the ethnoicthyology of fishermen from the Tocantins river (Brazil). Acta Amazonica, Manaus, v. 20, p. 341-351, 1990.

BEGOSSI, A. Foods taboos Island (Brazil): Their significance and relation to folk medicine. Journal of Ethnobiology, Tacoma, v. 12, n. 1, p. 117-139, 1992.

BEGOSSI, A.; BRAGA, F. M. S. Food taboos and folk medicineamong fishermen form the Tocantins River (Brazil). Amazoniana, Manaus, v. 12, n. 1, p. 101-118, 1992.

BEGOSSI, A. Fishing activities and strategies at Buzios Island. In: World Fisheries Congress, Atenas. Proceedings of the WFC, fisheries resource and utilization, v. 2. p. 125-141, 1996.

BEGOSSI, A. et al. Food chain and the reasons for fish food taboos among Amazonian and Atlantic Forest fishers (Brazil). Ecological applications, Washington, v. 14, n. 5, p. 1334-1343, 2004.

BEGOSSI, A. (Org.). Ecologia de pescadores da Matta Atlântica e da Amazônia. São Paulo: Hucitec/Nepam/Unicamp, 2004, 331 p.

BEGOSSI, A. et al. Ecologia de pescadores artesanais da Baía de Ilha Grande. Canadá. Rio de Janeiro: IBIO/Ministério da Justiça. 2009.

BENNEMANN, S. T. et al. Peixes da bacia do rio Tibagi: uma abordagem ecológica. Londrina: EDUEL, 2000.

BERNARD, H. R. Research in cultural anthropology. Sage. Newbury Park, CA, EEUU. 1988.

BÖHLKE, J. E. et al. Estado atual da sitemática dos peixes de água doce da América do Sul. Acta Amazonica, Manaus, v. 8, n. 4, p. 657-677, 1978.

BRAGA, M. A.; BRAGA, E. O. Indígenas, camponeses e urbanos na pesca como ela é: os pescadores artesanais de Baía da Traição/PB. Inter Scientia, v. 5, n. 1, p. 7-17, 2017.

BRAGA, H. O. et al. Sharing fishers´ ethnoecological knowledge of the European pilchard (Sardina pilchardus) in the westernmost fishing community in Europe. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, Pollenzo, v. 13, n. 52, p. 1-13, 2017.

BRANDÃO, F. C.; SILVA, L. M. A. Conhecimento ecológico tradicional dos pescadores da floresta nacional do Amapá. Revista UAKARI, São João da Ponta, v. 4, n. 2, p. 55-66, 2008.

BRITSKI, H. A. et al. Peixes do Pantanal: manual de identificação 2ª edição revista e ampliada. Brasília, EMBRAPA, 2ª Ed., v. 1, 2007.

BUCKUP, P. A. et al. GUIA de Identificação das Espécies de PEIXES da Bacia do Rio das Pedras Município de Rio Claro, RJ. Rio de Janeiro: The Nature Conservancy, 2014.

BURGER, R. Ictiofauna do Baixo São Francisco à Jusante da Barragem de Xingó: Inventário e Caracterização Taxonômica. Monografia não publicada, Universidade Federal da Bahia, Salvador/BA, 2008.

FUNDAÇÃO CENTRO DE PESQUISA ECONÔMICAS E SOCIAIS DO PIAUÍ - CEPRO. Diagnóstico socioeconômico, Castelo do Piauí: Características morfoclimáticas. 2013. Disponível em http://www.cepro.pi.gov.br/diagsoceco.php. Acesso em: 22 jun. 2017.

COSTA NETO, E. M. A cultura pesqueira do litoral norte da Bahia: etnoictiologia, desenvolvimento e sustentabilidade. Salvador: EDUFBA; Maceió; EDUFAL, 2001. 159 p. Disponível em < https://books.google.com.br/books?id=K03EmeFsK28C&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=true>. Acesso em: 04 jan. 2018.

COSTA NETO, E. M. et al. O conhecimento ictiológico tradicional dos pescadores da cidade de Barra, região do médio São Francisco, Estado da Bahia, Brasil. Revista Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 2, p. 561-572, 2002.

COSTA NETO, E. M.; ALVES, R, R. N. Estado da arte da zooterapia popular no Brasil. In: COSTA NETO, E.M; ALVES, R.R.N. Zooterapia: Os animais na medicina popular brasileira. Recife: Nuppea. 2010. 268 p.

COSTA, T. V. et al. Aspectos do consumo e do comércio de pesca em Parintins. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 63-75, 2013.

DAADDY, M. D. V. et al. Pesca do apaiari, Astronotus ocellatus (Agassiz, 1831), e perfil socioeconômico dos pescadores artesanais de uma região da Amazônia brasileira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humana, Belém, v. 11, n. 2, p. 363-378, 2016.

DAMASCENO, L. M. O. et al. Qualidade da água do rio Poti para consumo humano, na região de Teresina, PI. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 3, n. 3, p 116-130, 2008.

DAMASCENO, L. M. O. et al. Aspectos qualitativo da água do rio Poti na região de Teresina, PI. Revista Ciências Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 1, p. 139-148, 2010.

DIEGUES, A. C. S. Pesca e Marginalização no Litoral Paulista. 1973. 190 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade de São Paulo.

DIEGUES, A. C. S. Povos e Mares: Leituras em Sócio- Antropologia Marítima. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa de Populações Humanas em Áreas Úmidas Brasileiras, 1995.

DIEGUES, A. C. S. Environmental impact assessment: The point of view of artisanal fishermen communities in Brazil. Ocean & Coastal Management, Hull, v. 39, p. 119-133, 1998.

DUARTE ALVES, A.; JUSTO, J. S. Histórias de Pescadores: estudo com ribeirinhos desalojados por uma hidrelétrica. Psicologia Política, São Paulo, v. 22, n. 11, p. 309-328, 2011.

FARIÑA, A. et al. Etnobiología marina y aspectos pesqueros en seis comunidades costeras de la Península de Paria, Venezuela. Interciência, Las Condes, v. 36, n. 4, p. 256-264, 2011.

FEITOSA, M. A. Pesca artesanal no semiárido Paraibano: um enfoque etnoictiológico. 2011. 114 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

FERRARIS, C. J. Checklist of catfishes, recent and fossil (Osteichthyes: Siluriformes), and catalogue of siluriformes primary types. Zootaxa, Auckland, v. 1418, p. 1-628, 2007.

FIDALGA, A.B.P. et al. Estudo das percepções da comunidade da Palmeira (Ilha do Sal, Cabo Verde) sobre a Sustentabilidade das Pescas. Revista da Gestão Costeira Integrada/Journal of Integrated Coastal Zone Management, Coimbra, v.14, n.1, p. 41-49, 2014.

FONSECA-KRUEL, V. S.; PEIXOTO, A. L. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasílica, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 177-190, 2004.

FREIRE, K. M. F. et al. Brazilian recreational fisheries: current status, challenges and future direction. Fisheries Management and Ecology, Hull, v. 23, p. 276-290, 2016.

FURLAN, V. J. M. et al. Caracterização da atividade pesqueira e aspectos da comercialização do pescado no município de Itaqui-RS, Brasil. Revista Visão em Debate: Sociedade, Ciências e Tecnologia, Itaqui, v. 4, n. 4, p. 43-50, 2016.

GALVES, W. et al. Estudos sobre diversidade de peixes da bacia do alto rio Paraná: uma revisão histórica. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 30, n. 2, p. 141-154, 2009.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Populacional. 2010. Disponível em: Acesso em: 19 jun. 2016.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese das informações. 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.

KRUMME, U. Patterns in tidal migration of fish in a Brazilian mangrove channel as revealed by a vertical split-beam echosounder. Fisheries Research, Vancouver, v. 70, n. 1, p. 1–15, 2004.

LEITE, R.S. O Jacaré Caiman crocodilus (LINNAEUS, 1758) e a comunidade de Ilha Grande, Piauí, APA Delta do Parnaíba, Brasil. Teresina: 2010. 128 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal do Piauí, Teresina.

RORIZ LEMES, D. L. et al. Reproduction of the internal inseminator Trachelyopterus galeatus (Linnaeus, 1766) (Siluriformes: Auchenipteridae). Journal of Applied Ichthyology, Berlin, v. 33, n. 1, p. 69-74, 2017.

LIMA, B. B., VELASCO, G. Estudo piloto sobre o autoconsumo de pescado entre pescadores artesanais do estuário da lagoa dos Patos, RS, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 38, n. 4, p. 357-367, 2012.

LOPES, P. L. J.; SOUZA, J. M. Valor e categorias de uso dos apetrechos de pesca e das etnoespécies de peixes da comunidade de pescadores artesanais de Sacaí, Caracaraí - R, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia, Pelotas, v. 10, n. 2, p. 100-109, 2015.

LUCENA, R.F.P. et al. The ecological apparency hypothesis and the importance of useful plants in rural communities from Northeastern Brazil: An assessment based on use value. Jornal of Environmental Management, United States, v. 96, n. 1, p. 106-115. 2012.

MAGURRAN, A. Diversidad ecológica y su medición. Barcelona: Ediciones Vedra. 1989. 200 p.

MADI, E.; BEGOSSI, A. Pollution and food taboos: s practical reason? Journal of Human Ecology, Haryana, v. 8, n. 6, p. 405-408, 1997.

MARIGUELA, T. C. Análise filogenética da subfamília Callichthyinae (Teleostei: Siluriformes: Callichthyidae) com base em sequências de DNA nuclear e mitocondrial. 2006. 64 f. Dissertação de Mestrado não publicada, Universidade Estadual Paulista, São Paulo.

MARQUES, J. G. W. Etnoictiologia: pescando pescadores nas águas da transdisciplinaridade. Revista Ouricuri, Juazeiro, v. 2, n. 2, p. 9-36, 2012.

MARQUES, J. G. W. Pescando pescadores: Ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. São Paulo: Nupaub/USP. 2001. 258 p.

MARQUES, J. G. W. Pescando pescadores: Et¬noecologia abrangente no baixo São Fran-cisco. São Paulo: NUPAUB/USP. 1995. 285 p.

MAUÉS, R. H.; MOTTA-MAUÉS, M. A. O modelo da “reima”: representações ali¬mentares em uma comunidade amazônica. Anuário Antropológico, Brasília, v. 77, p. 120-147. 1977.

MEIRELES, M. P. A. et al.. Características da pesca artesanal realizada na comunidade Passarrinho/Ilha das Canárias/MA. Gaia Scientia, João Pessoa, v. 11, n. 3, p. 12-26, 2017.

MENEZES, N. A. et al. Peixes de Água Doce da Mata Atlântica - Lista preliminar das espécies e comentários sobre conservação de peixes de água doce neotropicais. Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 2007. 408p.

MOURÃO, J. S.; NORDI, N. Etnoictiologia de pescadores artesanais do estuário do Rio Mamanguape, Paraíba-Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 9-17, 2003.

NUNES, F. C. Estudo taxonômico das espécies de peixes de água doce da Bacia do rio Pojuca, Bahia, Brasil. 2012. 88 f. Monografia (Bacharel em Ciências Biológicas) – Universidade Federal da Bahia. Salvador.

NASCIMENTO, M. G. P. Etnobotânica e Etnozoologia em comunidades pesqueiras de Parnaíba e Cajueiro da Praia, Piauí, Brasil. 2014. 144 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), Universidade Federal do Piauí, Teresina.

NETTO, R. F. et al. A pesca realizada na comunidade de pescadores artesanais de Santa Cruz/ ES – Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 93-100, 2002.

PEIRANO, M. G. S. Proibições alimentares numa comunidade de pescadores. 1975. 165 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade de Brasília, Brasília,

PHILLIPS, O.; GENTRY, A. H. The useful plants of Tambopata, Peru: I. Statistical hypothesis tests with a new quantitative technique. Economic Botany, New York, v. 47. p. 15-32, 1993a.

PHILLIPS, O.; GENTRY, A. H. The useful plants of Tambopata, Peru: II. Additional hypothesis testing in quantitative ethnobotany. Economic Botany, New York, v. 47, p. 33-43, 1993b.

PINTO, M. F. et al. Ethnotaxonomical considerations and usage of ichthyofauna in a fishing community in Ceará State, Northeast Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, Pollenzo, v.9, n. 17, p. 1-11, 2013.

PINTO, M. F. et al. Use of ichthyofauna by artesanal fishermen at two protected areas along the coast of Northeast Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, Pollenzo, v. 11, n. 20, p. 1-32, 2015.

PIORSKI, N. M. et al. A prática da pesca entre grupos indígenas das bacias dos rios Pindaré e Turiaçu, no estado do Maranhão, nordeste do Brasil. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, São Luís, v. 16, p. 67-74, 2003.

RAMIRES, M. et al. A pesca e os pescadores artesanais de Ilhabela (SP), Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 38, n. 3. p. 231–246, 2012a.

RAMIRES, M. et al. The use of fish in Ilhabela (São Paulo/Brazil): preferences, food taboos and medicinal indications. Biota Neotropica, Campinas, v. 12, n. 1, p. 21-29, 2012b. Disponível em: .

RAMIRES, M. et al. Caracterização da pesca artesanal e o conhecimento pesqueiro local no Vale do Ribeira e Litoral Sul de São Paulo. Revista Ceciliana, Santos, v. 4, n. 1, p. 37-43, 2012c.

REIS, R. E. et al. Check list of the freshwater fishes of South and Central America. Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

RODRIGUES, R. A.; MAIA, L. P. Caracterização sócio-econômica das comunidades de pescadores do município de Aquiraz-Ceará. Arquivos de Ciências do Mar, Florianópolis, v. 40, n. 1, p. 16-23, 2007.

ROSSATO, S. C. et al. Ethnobotany of Caiçaras of the

Atlantic Forest Coast (Brazil). Economic Botany, New York, v. 53, n. 4, p. 387-395, 1999.

SANTOS, G. M. et al. Peixes do baixo Rio Tocantins: 20 anos depois da Usina Hidrelétrica Tucuruí. Brasília: Eletronorte, 2004.

SANTOS, V. M. A. et al. Concepção dos pecadores artesanais que utilizam o reservatório de Furnas, Estado de Minas Gerais, acerca dos recursos pesqueiros: um estudo etnoictiológico. Biotemas, Florianópolis, v. 23, n. 4, p. 135-145, 2010.

SANTOS, K. P. P. Etnobotânica e Etnozoologia dos pescadores artesanais do município de União/PI, Brasil. 2013. 130 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina.

SANTOS, K. P. P. et al. Atividade pesqueira de embarcações na colônia de pescadores Z-18 do município de União/PI, Brasil. Holos, Natal, v. 6, 2015a.

SANTOS, K. P. P. et al. Análise da Diversidade Sociocultural dos Pescadores Artesanais de Miguel Alves-PI/Brasil. Espacios, La Tahona, v. 36, n. 20, p. 13, 2015b.

SANTOS, K. P. P. Etnozoologia e Etnoecologia na Comunidade de Pescadores Artesanais de Miguel Alves, PI/Brasil. 2017. 199 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina.

SANTOS, K. P. P. et al. Percepção ambiental sobre a degradação dos recursos hídricos na comunidade de pescadores artesanais de Miguel Alves/Brasil. Educação Ambiental em Ação, São Paulo, v. 59, p. 01-12, 2017.

SEDREZ, M. C. et al. Caracterização socioeconômica da pesca artesanal do camarão sete-barbas em Porto Belo, SC. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 311-322, 2013.

SILVA, J. T.; BRAGA, T. M. P. Etnoictiologia de pescadores artesanales de la comunidad de Surucuá (Reserva Extractiva Tapa¬jós-Arapiuns). Revista de Antropologia (Online), São Paulo, v. 9, n. 1, p. 238-257, 2017.

SILVA, T. R. et al. Etnobiologia do caranguejo de água doce Trichodactylus fluviatilis Latreille, 1828 no povoado de Pedra Branca, Santa Teresinha, Bahia. Revista Gaia Scientia, João Pessoa, v. 8, n. 1, p. 51-64, 2014.

SILVA, V. G. O Antropólogo e sua magia. São Paulo: Edusp, 2000. 200 p.

SILVA-GONÇALVES, R.; D’INCAO, F. Perfil socioeconômico e laboral dos pescadores artesanais de camarão-rosa no complexo estuarino de Tramandaí (RS), Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 387-401, 2016.

SILVANO, R. A. M. B. Pesca artesanal e etnoictiologia. In: BEGOSSI, A. (Org.) Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo: Hucitec/Nepam/ Unicamp, 2004. p. 187-222.

SILVANO, R. A. M.; BEGOSSI, A. Ethnoichthyology and fish conservation in the Piracicaba river (Brazil). Journal of Ethnobiology, Tacoma, v. 22, n. 2, p. 285–306, 2002.

SOUSA, R. S. Etnobotânnica e etnozoologia de comunidades pesqueiras da área de proteção ambiental (APA) do Delta do Parnaíba, nordeste do Brasil. 2010. 175p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina.

SOUSA, D. G. et al. Estrutura populacional e reprodução do Anujá, Trachelyopterus galeatus Linnaeus, 1766), em uma área de uso sustentável da Zona Costeira Amazônica. Biota Amazônia, Macapá, v. 6, n. 2, p. 41-49, 2016.

SOUZA; AURICCHIO, (2002). In: ALBUQUERQUE, U. P. et al. Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica, Recife: NUPEEA, 2010. p. 312.

TARKAN, A. S. et al. Risk screening of non-native freshwater fishes at the frontier between Asia and Europe: first application in Turkey of the fish invasiveness screening kit. Journal of Applied Ichthyology, Berlin, v. 30, n. 2, p. 392-398, 2014.

TROTTER, R.; LOGAN, M. Informant consensus: a new approach for identifying potentially effective medicinal plants.In: ETKIN, N. L. (Ed.) Indigenous medicine and diet: biobehavioural approaches. New York: Redgrave Bedford Hills, 1986. p. 91-112.

VIANA, L. F. et al. Variação sazonal na alimentação de Pimelodella cf. gracilis (Osteichthyes, Siluriformes, Pimelodidae) no rio Amambai, Estado de Mato Grosso do Sul. Acta Scientarium. Biological Sciences, Maringá, v. 28, n. 2, p. 123-128, 2006.

ZACARKIM, C. E. et al. Perfil dos pescadores da foz do rio Araguaia, Brasil. Revista Eletrônica de Extensão, Santa Catarina, v. 14, n. 25, p. 27-44, 2017. Dispinível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2017v14n25p27 >. Acesso em: 27 de dez. 2017.

ZANCHETT, S. A. S. Memória e História: Os pescadores Coxineneses e suas trajetórias de vida cotidiana. MONÇÔES Revista do curso de História/CPCX – campus da Universidade de Coxim, Coxim, v. 2, n. 2, p 63- 84. 2015. Disponível em: < http://seer.ufms.br/index.php/moncx/article/view/171/pdf_7>. Acesso em: 22 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com