ANÁLISE ETNOBOTÂNICA DA ESTRUTURA DE QUINTAIS NA FRONTEIRA BRASIL/PARAGUAI

SEBASTIÃO GABRIEL CHAVES MAIA, SEDERLI BOMBARDA SOBRINHO

Resumo


O presente estudo foi realizado no núcleo urbano do município de Ponta Porã-MS,” tendo como foco a estrutura do quintal, constituindo uma importante fonte de informações etnobotânicas, bem como as características socioculturais que constituem a população fronteiriça. As informações etnobotânicas foram obtidas por meio de observação participante e entrevista semiestruturada realizadas em 30 unidades domésticas devidamente acompanhadas de seus mantenedores. Os resultados obtidos foram constituídos com base nas informações qualiquantitativas, levando em consideração a forma de organização dos espaços, as espécies vegetais cultivadas nos quintais e as formas de usos, segundo a percepção dos moradores. No estudo foram identificadas 200 etnoespécies pertencentes a 65 famílias botânicas agrupadas em quatro estratos distintos: herbáceas, subarbustos, arbustos e arbóreas. Com tudo, observou-se que esses espaços além de serem considerados por muitos como extensão da residência são utilizados para finalidades distintas como: cultivos de diferentes categorias de plantas ornamentais, medicinais, alimentícias, criação de pequenos animais, lazer e de uso místico. Vale ressaltar ainda, a função social que os quintais desempenham promovendo a interação desses atores sociais, contribuindo na manutenção das relações socioculturais estabelecidas entre essa população, na conservação e, principalmente na transmissão desses conhecimentos ao longo das gerações.


Palavras-chave


unidades domésticas; conhecimento etnobotânico; conhecimentos tradicionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P. Introdução a etnobotânica. Editora Interciência. 2º ed. 93p. 2005.

AMOROZO, M. C. M. Os quintais: funções, importância e futuro. GUARIM NETO, G.; CARNIELLO, M. A. Quintais mato-grossenses: espaços de conservação e reprodução do saberes. Cáceres: Editora Unemat, 2008.

AMOROZO, M. C. M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antonio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasílica, v.16, n.2, p.189-203, 2002.

AMOROZO, M. C. Um sistema de agricultura camponesa em Santo Antônio do Levenger. Mato Grosso, Brasil. 1996. 232f. Tese (Doutorado em Antropologia). São Paulo: Universidade de São Paulo, 1996.

BARDIN, L. 1997. Análise de conteúdo. Edição revista actualizada. p 282.

BARUFFI, H. Metodologia da pesquisa: manual para elaboração da monografia. 3 ed. Dourados: Hbedit, 2002. 181 p.

BEGOSSI, A. Ecologia Humana: Um Enfoque Das Relações Homem-Ambiente. Interciencia. n. 18: p.121-132, 1993. Disponível em: . Acesso em: 12 Nov. 2016.

BENINI, S. M.; GODOY, J. A. R. S. Estudos Urbanos: uma abordagem interdisciplinar da cidade contemporânea. 2. Ed. – Tupã: ANAP, 2016.

BRITO, A. R. M. S.; BRITO, A. A. S. Medicinal plants research in Brazil: data from regional and national meetings. In: BALICK, M. J.; ELISABETSKY, E.;

CARNIELLO, M. A.; SILVA, R. S.; CRUZ, M. A. B.; GUARIM NETO, G. Quintais urbanos de Mirassol D’Oeste-MT, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Acta Amazônica. vol.40 n. 3 Manaus set. 2010.

FREITAS, A. V. L. COELHO, M. F. B.; MAIA, S. S. S.; AZEVEDO, R. A. B. Plantas medicinais: um estudo etnobotânico nos quintais do Sítio Cruz, São Miguel, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v.10, n.1, p. 48-59, 2012.

GUEDES-BRUNI, R. J. Inventário Florístico In: Manual Metodológico para estudos botânicos na Mata Atlântica. 2002. p. 121. Disponível em:. Acesso em: 02 dez. 2016.

GUARIM NETO, G. Refletindo sobre ambiente e cultura – a etnobiologia, a etnoecologia, a etnobotânica: o saber tradicional instalado e mantido. Anais do III Fórum de Educação e Diversidade: Educação em contexto intelectual. Universidade do Estado de Mato Grosso. Tangará da Serra, MT, jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 Nov. 2016.

GUARIM NETO, G. Refletindo sobre ambiente e cultura. A etnobiologia, a etnoecologia e a etnobotânica: O saber tradicional instalado e mantido. Disponívelem: . Acesso em: 09 Nov. 2016.

IBGE, Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. 271 p. 2º ed. (Manuais técnicos de Geociências, 1). Disponível em:. Acesso em: 01 Nov. 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Mato Grosso do Sul – Ponta Porã. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2016.

KORMONDY, Edward J. BROWN, Daniel E. Ecologia Humana. São Paulo. Atheneu, 2002. 503 p.

MAIA, S. G. C. Aspectos do mecanismo de compensação da reserva legal em unidades de conservação no estado de Mato Grosso: Parque Estadual Encontro das Águas, pantanal mato-grossense. 2011. 177 f. Dissertação (Mestrado). UFMT. Cuiabá, MT, 2011.

MILLAT E MUSTAFA, M. An approach toward analysis of home gardens. In: RASTOGI, A.; GODBOLE, A.; SHENGJI, P. (Eds.) Applied Ethnobotany in Natural Resource Management. Traditional Home Gardens. International Center for Integrated Mountain Development, Nepal, 1998. pp. 39–48.

MOURA, C. L.; ANDRADE, L. H. C. Etnobotânica em quintais urbanos nordestinos: um estudo no bairro da Muribeca, Jaboatão dos Guararapes, PE. Revista Brasileira de Biociências, v.5, n.1, p. 219-221. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 Nov. 2016.

NAIR, P. K. R. An introduction to agroforestry. Kluwer Academic Publishers, 1993. Disponível em: . Acesso em 10 Nov. 2016.

NODA, S; CHUTINAN, A; IMADA, M. Trapping and emission of photons by a single defect in a photonic bandgap structure. Nature, v. 407, n. 6804, p. 608-610, 2000.

PASA, M. C. Um olhar Etnobotânico sobre as comunidades do Bambá. Cuiabá: Entrelinhas: EdUFMT, 2007.

POSEY, D. A. Etnobiologia: Teoria e Práticas. Suma Etnobiológica Brasileira. Petrópolis, vol. 1 (Etnobiologia), 1987.

RAVEN, P.; EVERT, R. F.; EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

RONDON NETO, R. M. R.;BYCZKOVSKI, Á; WINNICKI, J. A,; SIMÃO, M. M.;

SILVA, V. A.; ALMEIDA, A. L. S. Etnobiologia e atnoecologia. Pessoas e natureza na América Latina. Recife NUPEEA, 2010.

VIEIRA, T. A.; ROSA,L. S.; SANTOS. M. M. L. S. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais no município de Bonito, Estado do Paraná. Revista de Ciências Agrárias. v. 55, p 159-166, 2012. Disponível em: Acesso em: 23 Out. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v4i1.244

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com