SABERES TRADICIONAIS DE POVOS INDÍGENAS COMO REFERÊNCIA DE USO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE: CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS SOBRE O POVO MBYA GUARANI

Kátia Mara Batista, Geraldo Milioli, Vanilde Citadini-Zanette

Resumo


Apresentam-se considerações teóricas sobre uso e conservação da biodiversidade por povos tradicionais, tendo como foco os povos indígenas e como referência o povo Mbya Guarani. Objetivou-se aprofundar a investigação e a discussão teórica sobre a relação dos povos indígenas com a natureza e suas contribuições à sustentabilidade ambiental, uma vez que os povos indígenas estabeleceram contato com o meio natural desde o início dos tempos e com ele evoluíram, em um processo dinâmico da relação social entre homem e natureza. Por meio da pesquisa bibliográfica e documental e da análise de conteúdo, ficou demonstrado que, apesar das dificuldades atuais de acesso e de manejo nos ambientes que ocupam, o povo Mbya Guarani desempenha um papel importante no incremento da biodiversidade local. Caracteriza-se por apresentar acentuadas diversidades inter e intraespecíficas, as quais podem ser encontradas na composição de seus ambientes de cultivo, bem como na conservação da floresta e de variáveis ambientais pelas práticas sustentáveis que utilizam. Pela abordagem interdisciplinar dada a esta revisão, contribuiu-se para maior compreensão da visão de mundo e das características culturais do povo Guarani Mbya, bem como das singularidades socioambientais. No longo período de tempo em constante convivência com o meio natural do Estado de Santa Catarina, esse povo desenvolveu estratégias de uso e de conservação da biodiversidade, as quais poderão ser referências de sociobiodiversidade em novos estudos sobre sustentabilidade ambiental. Essas técnicas culturais e os saberes tradicionais poderão ser alternativas na construção de novas abordagens interdisciplinares que buscam formas de resolução para os impactos socioambientais e alimentares da atualidade. Este estudo apontou que, para que essa prática continue ocorrendo, é fundamental que esses povos tenham a garantia de permanência em seus territórios.


Palavras-chave


Modo de vida; Povo Indígena; Recursos Naturais; Sociobiodiversidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. K.; MEDEIROS, J. C. A. Limites e possibilidades de articulações políticas de agricultura com o sistema agrícola Guarani. In: VERDUM, R.; ARAÚJO, A. (Org.). Experiências de assistência técnica e extensão rural junto aos povos indígenas: o desafio da interculturalidade. Brasília: NEAD/SAF, 2010. p. 240-259.

ANJOS, J. C. Identidade étnica e territorialidade. In: ANJOS, J. C.; SILVA, S. B. (Org.). São Miguel e Rincão dos Martinicanos: ancestralidade negra e direita territorial. Porto Alegre: UFRGS, 2004.

BALÉE, W. Foot prints of the forest: Ka’apor ethnobotany. The historical ecology of plant utilization by an Amazonian people. New York: Columbia University, 1994. 416 p.

BATISTA, K. M. Saberes tradicionais do povo Guarani Mbya como cultura de referência: contribuição teórica à sociobiodiversidade e à sustentabilidade ambiental. 2017. 125 f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2017.

BESPALHOK, F.; GUERRA, E. P.; OLIVEIRA, R. Melhoramento de populações por meio de seleção. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2017.

BERKES, F.; FOLKE, C.; GADGIL, M. Traditional ecological knowledge, biodiversity, resilience and sustainability. In: PERRINGS, C. S.; MÄLER, K. G.; FOLKE, C.; C. S. HOLLING, C. S.; JANSSON, B. O. (Ed.). Biodiversity conservation: problems and policies. Dordrecht: Kluwer Academic, 1995. p. 267-289.

BERKES, F.; KISLALIOGLU, M.; FOLKE, C.; GADGIL, M. Exploring the basic ecological unit: ecosystem-like concepts in traditional societies. Ecosystems, v. 1, p. 409-415, 1998.

BRIEGER, F. G.; PATERNIANI, J. T. A.; BLUMENSCHEIN, A.; ALLEONI, E. M. R. Races of maize in Brazil and other eastern South American countries. Washington: National Academy of Sciences, 1958. 593 p.

BRIGHENTI, C. A. Povos indígenas em Santa Catarina. In: NÖTZOLD, A. L. V.; ROSA, H. A.; BRINGMANN, S. F. (Org.). Etnohistória, história indígena e educação: contribuições ao debate. v. 1. Porto Alegre: Palotti, 2012. p. 37-65.

BUENO, E. Introdução. In: CABEZA DE VACA, Á. N. Naufrágios e comentários. Porto Alegre: LPM/ POCKET, 1999.

CADOGAN, L. En torno a la aculturación de los Mbyá-Guaraní del Guairá. América indígena, v. 20, p. 327-333, 1959.

CADOGAN, L. Ayvu Rapyta - Textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. Asunción: Fundação Leon Cadogan/CEADUC/CEPAG (Biblioteca Paraguaya de Antropologia), v. 16, 1992, 321 p.

CASTRO, E. Território, biodiversidade e saberes de populações tradicionais. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. C.; ALMEIDA, M. B. Enciclopédia da floresta. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 32-43.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J.; DESLAURIEX, J. P.; GROULX, L. H.; LAPERRIÈRE, A.; MAYER, R.; PIRES, A. (Org.) A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-316.

CHAZDON, R. L. Renascimento de florestas: regeneração na era do desmatamento. São Paulo: Oficina de Textos, 2016. 432 p.

CUNHA, M. C. Populações tradicionais e a conservação da biodiversidade. Estudos Avançados, v. 13, n. 36, p. 147-164, 1999.

CUNHA, M. C.; ALMEIDA, M. W. B. Indigenous people, traditional people and conservation in the Amazon. Daedalus, v. 129, n. 2, p. 315-338, 2000.

CUNHA, C.; ALMEIDA, B. (Org.). Enciclopédia da floresta: o Alto Juruá - práticas e conhecimentos tradicionais. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 735 p.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/ USP, 2000. 176 p.

DIEGUES, A. C. (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, 2000.

DIEGUES, A. C. Sociobiodiversidade. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (Org.) Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p. 303-312.

DIOCESE DE RORAIMA. Índio de Roraima. Coleção histórica: antropológico n. 01. Brasília: Coronário, 2000.

DUARTE, R. Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p.139-154, 2002.

FELIPIM, A. P.; QUEDA, O. O sistema agrícola Guarani Mbyá e seus cultivares de milho: um estudo de caso. Interciencia, v. 30, n. 3, p. 143-150, 2005.

GARLET, I. Mobilidade Mbyá: história e significação. 1997. 190 f. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

GOMEZ-POMPA, A.; KAUS, A. Posible papel de la vegetación secundaria en la evolución de la flora tropical. Biotropica, v. 3, n. 2, p. 125- 135, 1971.

GOMEZ- POMPA, A.; KAUS, A. Taming the wilderness myth. Bioscience, v. 42, n. 4, p. 271-279, 1992.

GOUDEL, F. Caracterização e processamento de mapuitã, os frutos da palmeira jerivá (Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman). 2002. 115 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

IFC - Instituto Federal Catarinense. Projeto de Ensino e Extensão - “Mulheres Mil – Artesanato Indígena”. IFC-Araquari/SESAI/FUNAI-SC, 2012-2013. Relatório Final. 13 p. 2014.

IKUTA, A. R. I. Práticas fitotécnicas de uma comunidade indígena Mbya Guarani, Varzinha, RS: da roça ao artesanato. 2002. 307 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, 2003.

KRIEGEL, R.; AZEVEDO, E. O.; SILVA, F. F. Relação do grupo indígena Guarani Mbya com o meio ambiente: alicerces da agroecologia. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, v. 7, n. 1, p. 211-226, 2014.

LADEIRA, M. I. Mbyá Tekoá, o nosso lugar. Revista São Paulo em Perspectiva, p. 01-10, 1989.

LADEIRA, M. I. Espaço geográfico Guarani-Mbyá: significado, constituição e uso. 2001. 236 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

LÉRY, J. Viagem à Terra do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1961.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. São Paulo: Papirus, 1962.

LEVY-STRAUSS, C. A ciência do concreto. In: LÉVI-STRAUSS, C. (Org.). O pensamento selvagem. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976. p. 15-89.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MELIÀ, B. A experiência religiosa Guarani. In: MARZAL, M. M. O rosto índio de Deus. Petrópolis: Vozes, 1988. p. 293-357.

MILHEIRA, R. G. Arqueologia Guarani no litoral Sul-Catarinense: história e território. 2010. 224 f. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NIMUENDAJU, C. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamento da religião dos Apapocúva-Guarani. Tradução de Charlotte Emmerich e Eduardo B.V. de Castro. São Paulo: Hucitec/ EDUSP, 1987.

NOELLI, F. S. Sem Tekoá não há Tekó: em busca de um modelo etnoarqueológico da aldeia e da subsistência Guarani e sua aplicação a uma área de domínio no Delta do Rio Jacuí/ RS. v. I. Porto Alegre, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1993.

NOELLI, F. S. El Guarani agricultor. ACCION – Revista Paraguaya de reflexión y diálogo, v. 4, n. 40, p. 17-23, 1994.

NOELLI, F. S. Curt Nimuendajú e Alfred Métraux: a invenção da busca da “terra sem mal”. Suplemento Antropológico, v. 34, n. 2, p. 123-166, 1999.

OLIVEIRA, V. L. Aecha ra‟u: vi em sonho. História e memória Guarani Mbyá. Revista Tellus, n. 7, n. 4, p. 59-72, 2004.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007. 232 p.

PATERNIANI, E.; GOODMAN, M. M. Races of maize in Brazil and adjacent areas. México: Centro Internacional de Mejoramiento de Maiz e Trigo, 1977. 95 p.

PEDRI, M. A. A dinâmica do milho (Zea mays L.) nos agroecossistemas indígenas. 2006. 86 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

PEREIRA, G. S et al. Ecologia histórica Guarani: As plantas utilizadas no Bioma Mata Atlântica do litoral sul de Santa Catarina, Brasil (Parte 1). Cadernos do LEPAARQ, v. 13, n. 26, 2016.

PIB. Povos Indígenas no Brasil. Guarani Mbya: situação fundiária e territorialidade. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2016.

POSEY, D. A. Etnobiologia: teoria e prática. In: RIBEIRO, B. G. (Coord.). Suma etnológica brasileira. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 15-25.

POSEY, D. Manejo da floresta secundária: capoeira, campos e cerrados (Kayapó). In: RIBEIRO, B. (Org.). Suma etnológica brasileira. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 173-185.

ROBERTSON, E. Medicinal plants at risk: nature’s pharmacy, our treasure chest: why we must conserve our natural heritage. Tucson: Center for Biological Diversity, 2008.

RODRIGUES, A. D. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986. 44 p.

RODRIGUES, W. C. Metodologia científica. Paracambi: FAETEC/IST, 2007.

ROHR, A. J. O sítio arqueológico do Balneário de Cabeçudas. Ciência e Cultura. (Suplemento). São Paulo: SBPC, v. 22, n. 6, 1973.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. Peirópolis: Instituto Socioambiental/ Instituto Internacional de Educação do Brasil, 2005a.

SANTILLI, J. Saberes locais e biodiversidade. In: BELAS, C. A. MOREIRA, E. (Org.). Seminário Saber Local/Interesse Global: propriedade intelectual, biodiversidade e conhecimento tradicional na Amazônia. Belém: CESUPA/ MPEG, 2005b.

SCATAMACCHIA, M. C. M. Horticultores ceramistas da Costa Brasileira. Revista de Arqueologia Americana, v. 8, p. 118-157, 1993-1995.

SCHADEN. E Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

SCHMITZ, P. I.; FERRASSO, J. Caça, pesca e coleta de uma aldeia Guarani. In: CARBONERA, M.; SCHMITZ, P. I. Antes do oeste catarinense: arqueologia dos povos indígenas. Chapecó: Argos, 2011. p. 139-166.

SCHMIDT, C. B. O milho e o monjolo. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, Serviço de Informação Agrícola, 1967.

SIBBR. Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira. Disponível em: . Acesso em: 6 fev 2017.

SILVA, J. H. G.; GONDIM FILHO, J. H.; GONDIM, D. M. O futuro?... Foi ontem! Uma leitura econômica sobre a insustentabilidade do “desenvolvimento sustentável”. Brasília: Qualidade, 2008.

SILVA-SÁ, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, n. 1, p. 1-15, 2009.

SOUZA, G. C. Extrativismo em área de reserva da biosfera da Mata atlântica no Rio Grande do Sul: um estudo etnobiológico em Maquiné. 2003. 220 f. Tese (Doutorado em Botânica) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

SOUZA, A. H. C.; LIMA, A. M. A.; MELLO, M. A. A.; OLIVEIRA, E. R. A relação dos indígenas com a natureza como contribuição à sustentabilidade ambiental: uma revisão de literatura. Revista Destaques Acadêmicos, v. 7, n. 2, p. 88-95, 2015.

VIEIRA, F. C. B.; KALHIL, J. B.; RUIZ, M. A. Percepção ambiental: contribuições e práticas indígenas para o ensino de ciências no baixo Rio Negro. Revista Científica ANAP Brasil, v. 5, n. 5, p. 59-68, 2012.

VIERTLER, R. B. Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em etnobiologia e etnoecologia. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. P. (Ed.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPq, 2002. p. 11-30.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. v. 1. Brasília: UnB, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.268

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com