“É NATURAL, É BOM! SÃO FRUTOS QUE VEM DA NATUREZA”: REPRESENTAÇÕES LOCAIS SOBRE O CONSUMO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS SILVESTRES EM UMA ÁREA RURAL DO BRASIL

Juliane SOUZA LUIZ HORA, Taline Cristina da Silva, Viviany Teixeira do Nascimento

Resumo


A dieta de populações humanas em todo o mundo tem passado por mudanças substanciais, ocasionadas por forças não dirigidas provenientes de mudanças tanto no clima e no tempo, como também mudanças no mercado. Tais modificações diminuem a diversidade de alimentos na dieta das pessoas, em especial, nos países em desenvolvimento. Assim, substituem-se alimentos tradicionalmente coletados em ambientes naturais por outros de origem industrial, gerando preocupações sobre sua segurança alimentar. Este estudo realizou uma avaliação qualitativa das representações das pessoas sobre os fatores que podem impulsionar ou frear o consumo de dez plantas alimentícias silvestres mais conhecidas e utilizadas em uma região de semiárida no nordeste do Brasil. O consumo das espécies foi relacionado a representações de benefícios à saúde, geração de sentimentos de bem-estar e cura. Além de relações entre fatores ecológicos e econômicos como, a disponibilidade das espécies no ambiente e a substituição por produtos industrializados, sendo percebidos como limitantes para o consumo. Contudo, mesmo com o consumo descontínuo traz evidência de que plantas alimentícias silvestres continuam fazendo parte da dieta local, sendo um indício dessa permanência em contextos rurais e sua importância, em contraposição a maior parte dos achados que mostram o efeito inverso.


Palavras-chave


Cerrado; Discurso do Sujeito Coletivo; Etnobotânica; Plantas Alimentícias; Representação

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; RAMOS, M. A.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. (2014) Methods and Techniques used to collect Ethnobiological. In: Albuquerque UP, Cunha LVFC, Lucena RFP, Alves RRNA (Eds), Methods and Techniques in Ethnobiology and Ethnoecology. 1ed. Springer, Switzerland, pp.15-38.

GUIMARÃES, M.; MIRANDA, E. E.; VIEIRA, H. R.; VALLADARES, G. S.; MANGABEIRA, J. A. M. C. 2002. Monitoramento da expansão agropecuária na Região Oeste da Bahia. Embrapa Monitoramento por Satélite-Documentos (INFOTECA-E).

BHARUCHA, Z.; PRETTY, J. 2010. The roles and values of wild foods in agricultural systems. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 365: 2913–2926.

BERILI, S. S.; OLIVEIRA, J. G.; MARINHO, A. B.; LYRA, G. B.; SOUSA, E. F.; VIANA, A. A. P.; BERNARDO, S.; PEREIRA, M. G. 2007. Avaliação da taxa de crescimento de frutos de mamão (Carica papaya L.) em função das épocas do ano e graus-dias acumulados. Revista Brasileira de Fruticultura, 29: 11-14.

CAMPOS, L. Z. O.; ALBUQUERQUE, U. P.; PERONI, N.; ARAÚJO, E. L. 2015. Do socioeconomic characteristics explain the knowledge and use of native food plants in semiarid environments in Noetheastern Brazil? Journal of Arid Environments, 115: 53-61.

COTTON, C. M. (1996). Ethnobotany: Principles and applications. Chichester, England: John Wiley and Sons, pp. 434.

CONTENTO, I. R. (2007). Nutrition education: linking research, theory, and practice. Jones & Bartlett Learning.

CRUZ, M. P.; MEDEIROS, P. M.; SARMIENTO-COMBARIZA, I.; PERONI, N.; ALBU-QUERQUE, U. P. 2014. “I eat the manofê so it is not forgotten”: local perceptions and con-sumption of native wild edible plants seasonal dry forests in Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 10-45.

DITLEVSEN, K.; SANDOE, P.; LASSEN, J. 2019. Healthy food is nutritious, but organic food is healthy because it is pure: The negotiation of healthy food choices by Danish consum-ers of organic food. Food Quality and Preference, 71: 46-53.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020

NASCIMENTO, V. T.; DE MOURA, N. P.; DA SILVA VASCONCELOS, M. A.; MACIEL, M. I. S.; DE ALBUQUERQUE, U. P. (2011) Chemical characterization of native wild plants of dry seasonal forests of the semi-arid region of northeastern Brazil. Food Research International 44:2112–2119

GROSSKINSKY, B.; GULLICK, C. 2000. Exploring the Potential of Indigenous Wild Food Plants in Southern Sudan: Proceedings of a workshop held in Lokichoggio, Kenya, June 3- 5 1999. Prepared by The Mitchell Group, 139.

HALL, C.; MACDIARMID, J. I.; MATTHEWS, R. B.; SMITH, P.; HUBBARD, S. F.; DAWSON, T. P. (2019) The relationship between forest cover and diet quality: a case study of rural southern Malawi. Food Security 11:635–650

HOWELL, A. J.; DOKPO, R. L.; PASSMORE, H. A.; BURO, K. 2011. Nature connected-ness: Associations with well-being and mindfulness. Personality and Individual Differences, 51: 166-171.

Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. Panorama do município de Barreiras, estado da Bahia. Disponível em: . Acessado em: 02 de maio de 2020.

ICKOWITZ, A.; ROWLAND, D.; POWELL, B.; SALIM, M. A.; SUNDERLAND, T. (2016). Forests, trees, and micronutrient-rich food consumption in Indonesia. PLoS One, 11(5), e0154139

KINUPP, V. F.; BARROS, I. B. I. 2007. Riqueza de plantas alimentícias não-convencionais na Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Biociên-cias, 5: 63-65.

KUHNLEIN, H. V.; RECEVEUR, O. (1996) Dietary Change and Traditional Food Systems of Indigenous Peoples. Annual Review of Nutrition 16:417–442

LADIO, A. 2001. The maintenace of wild edible plant gathering in a Mapuche Community of Patagonia. Economic Botany, 55: 243-254.

LADIO, A. H.; LOZADA, M. 2004. Patterns of use and knowledge of wild edible plants in distinct ecological environments: a case study of a Mapuche community from northwestern Patagonia. Biodiversity and Conservation, 13: 1153-1173.

LADIO, A. H.; LOZADA, M.; WEIGANDT, M. 2007. Comparison of traditional wild plants use between two Mapuche communities inhabiting arid and forest environments in Patagonia, Argentina. Journal of Arid Environments, 69: 695-715.

LANDRY, M.; LEMIEUX, S.; LAPOINTE, A.; BÉDARD, A.; BÉLANGER-GRAVEL, A.; BÉGIN, C.; PROVENCHER, Vé.; DESROCHES, S. 2018. Is eating pleasure compatible with healthy eating? A qualitative study on Quebecers' perceptions, Appetite, doi: 10.1016/j.appet.2018.02.033.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. 2005. Depoimentos e Discursos. Uma nova Proposta de Análise em Pesquisa Social. Série Pesquisa. Vol. 12. Líber Livro, Brasília, DF, Brasil.

NASCIMENT, V. T.; DE MOURA, N. P.; VASCONCELOS, M. A. S.; MACIEL, M. I. S.; ALBUQUERQUE, U. P. 2011. Chemical characterization of native wild plants of dry seasonal forests of the semi-arid region of northeastern Brazil. Food Research International, 44: 2112–2119.

NASCIMENTO, V. T.; PEREIRA, H. C.; SILVA, A. S.; FLORENTINO, A. T. N.; MEDEIROS, P. M. 2015. Plantas alimentícias não convencionais conhecidas por uma comunidade rural do cerrado, no município de Barreiras, Oeste da Bahia. Revista Ouricuri, 5: 86-109.

NYMBAYO, I. 2015. Food Security In Developed Countries (Europe and USA) – Is it Insecurity and Insufficiency or Hunger and Poverty in Developed Countries? BAOJ Nutrition, 1: 1-7.

NUNES, E. N.; GUEERA, N. M.; ARÉVALO-MARÍN, E.; ALVES, C. A. B.; NASCIMENTO, V. T.; CRUZ, D. D.; LADIO, A. H.; SILVA, S. M.; OLIVEIRA, R. S.; LUCENA, R. F. P. 2018. Local botanical knowledge of native food plants in the semiarid region of Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 14: 1–13.

PEEL, M. C.; FINLAYSON, B. L.; MCMAHON, T. A. 2007. Updated world map of the Koppen-Geiger climate classification. Hydrology and Earth System Sciences,11: 1633-1644.

SATTERTHWAITE, D.; MCGRANAHAN, G.; TACOLI, C. 2010. Urbanization and its implications for food and farming. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci, 27: 2809-2820.

SOLIVA, R.; HUNZIKER, M. 2009. Beyond the visual dimension: Using ideal type narratives to analyse people’s assesments of landscape scenarios. Land Use Policy, 26, 284-294.

TUAN, Y. 1980. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Difel, Difusão editorial S.A. São Paulo, SP, Brasil, 228p.

WILSON, E. O. 1984. Biofilia. Fondo de Cultura Económica. México, 283




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com