MARCAS DE FUNDO DE PASTO: UM MODO DE VIVER QUE AINDA PERSISTE NA MEMÓRIA NAS TERRAS ENTRE OS INSELBERGUES E LICURIZAIS NAS CAATINGAS DA BAHIA, BRASIL

Aurélio José Antunes de Carvalho, Michele dos Santos CONCEIÇÃO, Luiz Alexandre Brandão FREIRE, Gabriel TROILO, José Jackson de Souza ANDRADE, Erasto Viana Silva Gama, Antônio Ramos da HORA NETO

Resumo


O presente trabalho se constitui numa proposta de averiguação da existência de remanescentes de comunidades tradicionais de Fundos de Pasto nas caatingas com inselbergues e licurizais, entre os Territórios de Identidade do Vale Jiquiriçá e Piemonte do Paraguaçu, municípios de Brejões, Iaçu, Irajuba, Itatim, Milagres, Nova Itarana e Santa Teresinha, no Estado da Bahia, Brasil. Para tanto, foi realizado um apanhado com o apoio de acervo bibliográfico de vários campos do conhecimento: história, geografia, biologia, agronomia, zootecnia e antropologia, de modo a auxiliar na exposição e análise da ocupação do território mencionado; e tomada de dados junto à população local. Assim, por meio de entrevistas semiestruturadas aplicadas junto a informantes idosos e lideranças de meia idade no citado território foco, e em comunidades tradicionais de Fundo de Pasto, em Brotas de Macaúbas e Monte Santo, nota-se que o processo colonizatório, nessa região, durou quatro séculos com a atividade pastoril de rebanhos de gado solto, perdurando até o início da segunda metade do século XX. Entretanto, ao ser encetada a lei do Pé Alto ou lei dos Quatro-fios, desestruturam-se formas seculares de vida e cultura, perceptíveis na memória de pessoas acima dos 60 anos na mencionada região. Na prática pastoril, identificaram-se as marcas ou os sinais realizados nos animais por meio de cortes feitos com faca nas orelhas dos criatórios, e cada um desses possui nomenclatura específica. Esses sinais serviam de “assinaturas” distintivas de famílias/pessoas, nos criatórios que forrageavam em áreas sem cercas. Tais práticas permanecem em comunidades de Fundo de Pasto, em Monte Santo e Brotas de Macaúbas, e presentes na memória de pessoas, entre os vales mencionados no pediplano sertanejo da região de Milagres. Possivelmente, seja um indicativo de práticas de remanescentes de comunidades tradicionais de Fundo de Pasto, exemplo de Jatobá (Milagres) e Traíras (Itatim), remontando a um passado recente de criação em regime de solta. O cercamento das terras contribuiu para a rápida extinção de raças crioulas, no território exposto no trabalho, assim como para maiores impactos socioambientais, concentração de terras, êxodo rural e perdas de práticas ancestrais de manejo de rebanhos, que expunham tais comunidades na atual categoria Fundo de Pasto. Evidenciam-se semelhanças nas comunidades dos territórios mesmo que disjuntos, afastados cerca de 400 km.


Palavras-chave


comunidades tradicionais; inselbergue; lei dos quatro-fios; práticas ancestrais; semiárido

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, J. de C. Capítulos de história colonial. Sociedade Capistrano de Abreu. Rio de Janeiro: Briguiet, 1934.

AB’SÁBER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

AB’SÁBER, A. N. A organização natural das paisagens inter e subtropicais brasileiras. In: SIMPÓSIO SOBRE O CERRADO, 3., 1971, São Paulo. Anais... São Paulo: Edgard Blücher/Edusp, 1971. p. 1-14.

ALCÂNTARA, D. M.; GERMANI, G. I.; SAMPAIO, J. L. F. Há uma lei no meio do caminho: luta para permanecer na terra nos fundos e fechos de pasto. Terra Livre, v. 2, n. 37, p. 74-103, 2011.

ALCÂNTARA, D. M.; GERMANI, G. I. As comunidades de fundo e fecho de pasto na Bahia: luta na terra e suas espacializações. Revista de Geografia, v. 27, n. 1, p. 40-56, 2010.

ALMEIDA, A. W. B. de. Terras de preto, terras de santo, terras de índio – uso comum e conflito. In: GODOI, E. P. de; MENEZES, M. A. de; MARIN, R. A. (orgs.). Diversidade do campesinato: expressões e categorias. v. 2. São Paulo: editora Unesp/UnB, 2009. p. 39-66.

ARAÚJO, M. J. M.; MEDEIROS; V. M.; MACEDO, H. A. M. de. Couro marcado a ferro e fogo: cotidiano e vivência da marca de ferrar gado no Seridó potiguar. Mneme revista de humanidades, v. 8, n. 20, p. 125-165, 2006.

AZEVEDO, G. S. de. Leituras, notas, impressões e revelações do Tratado descritivo do Brasil em 1587 de Gabriel Soares de Sousa. Rio de Janeiro: UERJ, 2007.

BAHIA. [Constituição (1989)]. Constituição do Estado da Bahia. Salvador: EGBA, 1989.

BAHIA, PDRI - Nordeste Projeto Fundo de Pasto Aspectos Jurídicos e Sócios Econômicos. Salvador: CAR/SEPLANTEC, 1982.

BANDEIRA, L. A. M. O feudo: a casa da torre de Garcia d’Ávila: da conquista dos sertões à independência do Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BARROS, L. G. de. A história do boi misterioso. São Paulo: Luzieiro Editora Limitada, 19-?.

BLENGINI, I. A. D.; FERREIRA, J. de M. L.; CINTRA, M. A. M. U. (org.). Trilhando a Serra da Jiboia - venha desvendar sua importância e seus mistérios. Salvador: Gambá, 2015.

BONDAR, G. Importância econômica das palmeiras nativas do gênero Cocos nas zonas secas do interior baiano. Bahia: Instituto de Fomento Econômico da Bahia, 1939.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Folha SD 24. Salvador: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Rio de Janeiro, v. 24, 1981.

CAMAROTE, E. M. Territorialização e parentesco em uma comunidade baiana de fundo de pasto. Ruris, v. 5, n. 1, 2011.

CARVALHO, A. J. A. de; TROILO, G.; FERREIRA, M. H. dos S. (org.). Comunidades tradicionais de Fundo de Pasto: território de riqueza agrobiocultural e convivência com o Semiárido. Salvador: Áttema, 2020.

CARVALHO, A. J. A, de. LICURI, Syagrus coronata (Mart.) Becc.: associações micorrízicas, estrutura de desenvolvimento e epifitismo como subsídios ao manejo sustentável. 2019. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2019.

CHANG, M. Y. Sistema faxinal: uma forma de organização camponesa em desagregação no centro-sul do Paraná. Londrina: Iapar, 1988.

CUNHA, M. C. da (org.). História do índio no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DINIZ, N. M. M. Velhas fazendas da ribeira do Seridó. 2008. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

DOMINGUES, O. O gado nativo do Brasil: as supostas raças bovinas. Revista de Agricultura, p. 71-78, 1942.

EGITO, A. A.; MARIANTE, A. S.; ALBUQUERQUE, M. S. M. Programa brasileiro de conservação de recursos genéticos animais. Archivos de Zootecnia, v. 51, p. 39-52, 2002.

FIORAVANTI, M. C. S. et al. Reintrodução do gado curraleiro na comunidade quilombola Kalunga de Cavalcante, Goiás, Brasil: resultados parciais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE SAVANAS TROPICAIS, 9., E SIMPÓSIO NACIONAL DO CERRADO, 2., 2008, Brasília. Anais... Brasília: Embrapa, 2008, v. único. CD-ROM.

FLORES, M. F. da C. T. Crimes de fronteira: a criminalidade na fronteira meridional do Brasil (1845-1889). Porto Alegre: Edipucrs, 2014. E-book. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2020.

FRANÇA, F.; SANTOS, E.; SANTOS, C. C. Flora de inselbergs da região de Milagres, Bahia, Brasil: I. caracterização da vegetação e lista de espécies de dois inselbergs. Sitientibus, n. 17, p.163-184, 1997.

FURTADO, J. F. Homens de negócio: a interiorização da metrópole e do comércio nas minas setecentistas. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

INEMA, INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS. Regiões de planejamento e gestão das águas - RPGA e solos. Secretaria de Meio Ambiente, Governo do Estado da Bahia, 2014. p. 1. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2020.

KING, L. A geomorfologia do Brasil oriental. Rev. Bras. Geogr., v. 18, n. 2, p. 147-265, 1956.

KOSBY, M. F. Alma-caroço: peregrinações com cabras negras pelo extremo sul do Brasil. 2017. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

LEAL, N. S. Dos manuais que fazem raça: técnicas e enunciados sobre purezas zootécnicas. R@U, v. 10, n. 1, p. 25-52, 2018.

LEAL, N. S. De sangues, purezas e misturas bovinas: políticas e saberes da criação. In: COMERFORD, J.; BEZERRA, M. O.; PALMEIRA, M. (org.). Questões e dimensões da política: anais do Encontro dos 20 anos do Núcleo de Antropologia da Política (NuAP). Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2017.

LIMA, K. C. Caprinovinocultura e agricultura familiar no semiárido baiano: um olhar sobre o programa cabra forte. 2008. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

LINHARES, M. Y. L. História agrária. In: CARDOSO, C. F. S. Domínios da história. 3. ed. São Paulo: Campus, 2015.

LITTLE, P. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: UnB, 2002.

NASCIMENTO, R. de B. Caracterização morfoestrutural e dos sistemas de criação da raça moxotó em seu centro de origem com base no conhecimento local. 2010. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2010.

NASCIMENTO, J. M. “Terra, laço e moirão”: relações de trabalho e cultura política na pecuária (Geremoabo, 1880-1900). 2008. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

NASCIMENTO, J. M. Vaqueiros e fazendeiros na comarca de Geremoabo - Bahia no final dos oitocentos: Geremoabo - Bahia no final dos oitocentos: trabalho, dominação e resistência. Revista Mundos do Trabalho, v. 4, n. 8, p. 161-181, 2012.

NEVES, E. F. das. Formação territorial, ocupação econômica e divisão dos poderes nas Serranias Centrais da Bahia. Feira de Santana: UEFS, 2019.

PEREIRA, L. F. Da poesia oral ao cordel: nota sobre a transformação narrativa de uma poesia popular nordestina. Letras, v. 27 n. 55, p. 143-171, 2017.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo (Colônia). 26. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2008.

PRIMO, A. T. The discovery of Brazil and the introduction of domestic animals. In: GLOBAL CONFERENCE ON CONSERVATION OF DOMESTIC ANIMAL GENETIC RESOURCES, 5, 2000, Brasília. Proceedings [...]. Brasília: Embrapa Genetic Resources and Biotechnology, 2000. p. 4.

PUNTONI, P. A Guerra dos bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão. Nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec-Edusp/ Fapesp, 2002.

REGO, A. de A. Cabilda de facinorosos moradores: uma reflexão sobre a revolta dos índios da Pedra Branca de 1834. 2009. Dissertação (Mestrado em História Social) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SAMPAIO, T.. O Rio de S. Francisco e a Chapada Diamantina: trechos de um diário de viagem (1879-80), São Paulo: Escola Profissionaes Salesianas, 1905.

SANTOS, J. M. dos; SALGADO, A. A. R. Gênese da superfície erosiva em ambiente semiárido. Milagres/Ba: considerações preliminares. Revista de Geografia, Recife, v. 27, n. 1. Esp. 236-247, 2010.

SANTOS, M.. Da totalidade do lugar. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, S. N. A. dos. Conquista e resistência dos Payayá nos sertões das Jacobinas: Tapuias, Tupi, colonos e missionários (1651-1706). Salvador: UFBA, 2011.

SIBCS. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Brasília: Embrapa, 2018.

SIMONSEN, R. C. História econômica do Brasil, 1500-1820. 34. ed. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2005.

SILVA, J. M. C. da; BARBOSA, L. C. F.; LEAL, I. R.; TABARELLI, M. The Caatinga: understanding the challenges. In: SILVA, J. M. C. da; LEAL, I. R.; TABARELLI, M. (eds.). Caatinga: the largest Tropical dry forest region in South America. Suiça: Springer, 2017. p. 3-19.

SOUSA, G. S. Tratado descritivo do Brasil em 1587. 5. ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1987.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Editora Cortez, 2000.

VASQUES, A. Sinais, os sobrenomes da criação. Revista Florestan, v. 5, n. 7, p. 11-20, 2019.

VERDEJO, M. E. Diagnóstico rural participativo: guia prático DRP. 3. ed. Brasília: MDA / Secretaria da Agricultura Familiar, 2010.

ZAMBRINI, A. V. As veredas do bode: criação na solta e laboro no sertão de Pernambuco. 2016. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.320

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com