SABERES DA TRADIÇÃO: RELATOS ETNOGRÁFICOS DE VAQUEIROS SOBRE O USO DE RECURSOS NATURAIS NO TRATAMENTO DE AFECÇÕES DECORRENTES DA “PEGA DE BOI”, AGRESTE PERNAMBUCANO – BRASIL

Letícia Barbosa QUEIROZ, Karla Oliveira LUNA, ÉRICA Caldas Silva de OLIVEIRA

Resumo


A figura do vaqueiro, cantada em verso e prosa, representa para além da tradição um ícone da conquista dos sertões nordestinos. Homem forte que desbravou as áridas terras e vegetação da caatinga à procura do gado que se perdia nos sertões. Associada à figura do vaqueiro, tem-se as competições de vaquejadas, práticas culturais destacadas na região Nordeste do Brasil. Tais práticas se modificaram ao longo do tempo, contudo, o vaqueiro ainda representa esta identidade para a região. Considerando abordagens etnográficas, objetivou-se com este estudo identificar no saber de vaqueiros quais recursos foram e são normalmente utilizados para tratamento dos animais e dos próprios vaqueiros quando estes sofrem lesões ao se exporem à vegetação xerófita e com espinhos. A técnica aplicada foi a de entrevistas abertas e livres, em que os atores sociais tiveram liberdade em expressar sua vida no campo, aplicando-se posteriormente um questionário, utilizado com a finalidade de coletar dados sociais dos entrevistados. Os resultados apresentados revelaram que os vaqueiros têm um saber apreendido à medida em que exercem seus ofícios e fazem uso de plantas, animais e outros recursos para tratar suas lesões, bem como dos animais que se machucam durante a pega do boi. Entre as plantas mais citadas, destacam-se: Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir (jurema-preta) e Pilosocereus gounellei (A. Webwr. ex K. Schum.) Bly. ex Rowl. (alastrado). A banha de Rhinella jimi (Stevaux, 2002), “sapo cururu”, é citada como cicatrizante pelos entrevistados. Com base na abordagem da pesquisa é possível perceber que o ofício de vaqueiro ainda é muito presente e bastante representativo região Nordeste do Brasil.


Palavras-chave


Festa de Apartação; Tradição; Vaquejadas

Texto completo:

PDF

Referências


ABVAQ (Associação Brasileira de Vaquejadas). Regulamento. Disponível em: . Acesso em: 15 jun 2019.

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica (Orgs.). Recife: NUPEEA, 2010.

BARBOSA, A.; OLIVEIRA, D. S. C.; OLIVEIRA, C. R. M. Uso tradicional da fauna silvestre do município de Lapão – Bahia. Enciclopédia Biosfera – Centro Científico Conhecer, v. 10, n. 18, p. 118-133, 2014.

BARBOSA, J. A. A.; AGUIAR, J. O.; ALVES, R. R. N. Medicinal use of animals by hunters in North Eastern Brazil. Indian Journal of Traditional Knowledge, v. 17, n. 3, p. 485-493, 2018.

BURGER, M. E. et al. Cicatrização de feridas cutâneas em ratos tratados com pomada caseira à base de plantas medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 5, n. 2, p. 91-97, 2003.

BIESKIE, I. G. C.; DE LA CRUZ, M. G. Quintais medicinais: mais saúde, menos hospitais. Cuiabá: Governo do Estado do Mato Grosso, 2005.

CARMELLO-GUERREIRO, S. M.; PAOLI, A. A. S. Morfologia e anatomia da semente de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaceae) em desenvolvimento. Revista Brasileira de Botânica, v. 22, n. 1, p. 91-98, 1999.

CHAVES, E. M. F. et al. Um olhar sobre Ximenia americana L. e suas potencialidades. Acta Tecnológica, v. 9, n. 1, p. 70-77, 2014.

COSTA NETO, E. M. Conhecimento e usos tradicionais de recursos faunísticos por uma comunidade afro-brasileira. Resultados preliminares. Interciência, v. 25, n. 9, p. 423-431, 2014.

DA SILVA POLICARPO, I.; DUARTE, R. R. B.; MARTINS, A. K.; ALVES, R. R. N. Mammalian fauna used in flok medicine among hunters in a semiarid region of Brazil. Environment, Development and Sustainablity, v. 21, p. 1533-1542, 2019.

DORNELLES, M. F; MARQUES, M. G. B; RENNER, M. F. Revisão sobre toxinas de Anura (Tetrapoda, Lissamphibia) e suas aplicações biotecnológicas. Ciência em Movimento, v. 14, n. 24, p. 31-49, 2010.

FERREIRA, F. S. et al. Animal-based folk remedies sold in public markets in Crato and Juazeiro do Norte, Ceará, Brazil. BMC Complementary and Alternative Medicine, v. 9, n. 1, p. 1-8. 2009.

FREIRE, G. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do nordeste do Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1967.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE. Censo demográfico: Brejo da Madre de Deus. Infográficos. Evolução populacional e pirâmide etária. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jun 2019.

IBGE. Censo demográfico: Santa Cruz do Capibaribe. Infográficos. Evolução populacional e pirâmide etária. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jun 2019.

LEITE, N. S. et al. Avaliação das atividades cicatrizante, anti-inflamatória tópica e antioxidante do extrato etanólico da Sideroxylon obtusifolium (quixabeira). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, n. 1, p. 164-170, 2015.

LIMA A. P. et al. Avaliação da atividade cicatrizante do extrato etanólico da casca da Maytenus rigida Mart. (Celastracea). Scientia Plena, v. 6, n. 3, p. 4601, 2010.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública, n. 9, v. 3, p. 239-262, 1993.

MOURÃO, J. S.; NORDI, N. Pescadores, peixes, espaço e tempo: uma abordagem etnoecológica. Interciência, v. 31, p. 358-363, 2006.

NASCIMENTO, M. W. A.; VERÍSSIMO, R. C. S. S.; BASTOS, M. L. A.; BERNARDO, T. H. L. Indicações de plantas medicinais realizadas por raizeiros para tratamento de feridas. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2016.

QUEIROZ, W. Bahia e vaqueiros: um débito. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, v. 17, p. 71-84, 2010.

QUEIROZ DIAS, D. et al. GC-MS analysis of the fixed oil from Sus scrofa domesticus Linneaus (1758) and antimicrobial activity against bacteria with veterinary interest. Chemistry and Physics of Lipids, v. 219, p. 23-27, 2019.

RIBEIRO, E. M. Vaqueiros, bois e boiadeiros: trabalho, negócio e cultura na pecuária do nordeste mineiro. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 6, n.1, p. 135-164, 1998.

ROQUE A. A. et al. Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 12, n. 1, p. 31-42, 2010.

SANTANA, D. G. Beneficial effects of the etanol extract of Caesalpinia pyramidalis on the inflammatory response and abdominal hyperalgesia in rats with acute pancreatitis. Journal of Ethnopharmacology, v. 142, p. 445-455, 2012.

SCHIRATO, G. V. Application of the polysaccharide from cashew gum in the rehabilitation of experimental cutaneous lesions in mice. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOQUÍMICA E BIOLOGICA MOLECULAR, 2003, Caxambu, MG. Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular, 2003. p. 100.

SILVA, D. M; MOCELIN, K. R. O cuidado de enfermagem ao cliente portador de feridas sob a ótica do cuidado transcultural. Nursing, v. 9, n. 105, p. 81-88, 2007.

SOUZA, D. R; RODRIGUES, E. C. A. M. S. Plantas medicinais: indicação de raizeiros para o tratamento de feridas. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 29, n. 2, p. 197-203, 2016.

TELLEZ, P. J; DUPOY DE GUITARD, J. Preparação farmacêutica contendo extrato de Mimosa tenuiflora com propriedades regeneradoras da pele. European Patent Office, v. 349, p. 469, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.323

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com