EXPERIÊNCIAS DE POPULARIZAÇÃO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS NO ESTADO DE ALAGOAS, BRASIL

Gabriela Maria Cota Santos, Déborah Monteiro Barbosa, Élida Monique da Costa Santos, Danúbia Lins Gomes, Rafael Ricardo Silva, Patrícia Muniz Medeiros

Resumo


Os seres humanos vêm restringindo a diversidade de alimentos em sua dieta ao longo dos anos, devido ao processo de globalização dos sistemas agroalimentares. Neste sentido, a promoção da popularização de plantas alimentícias não convencionais (PANC) pode ter importantes implicações nutricionais, ecológicas e socioeconômicas. Neste artigo buscamos descrever algumas estratégias de popularização das PANC no Estado de Alagoas realizadas pelo Laboratório de Ecologia, Conservação e Evolução Biocultural (LECEB) da Universidade Federal de Alagoas e como estas estratégias foram orientadas pelas pesquisas do grupo sobre o tema. Discutimos quatro grupos de estratégias, sendo estas: (1) apresentação aos potenciais consumidores de quatro PANC selecionadas a partir da percepção local de agricultores do Assentamento Dom Hélder (Murici-AL); (2) realização de minicursos com agricultores e extrativistas do assentamento Dom Hélder, do Bacharelado em Agroecologia (PRONERA) e com outros estudantes das ciências agrárias; (3) realização do concurso de culinária PANC na Pança; e (4) produção de vídeos de divulgação das PANC. Acreditamos que estas estratégias, somadas com outras iniciativas de pessoas e instituições diversas de Alagoas, têm ampliado o conhecimento sobre este grupo de espécies no Estado.


Palavras-chave


Avaliação sensorial; Diversificação alimentar; Etnobotânica; Conservação Biocultural

Texto completo:

PDF

Referências


BERILLI, S. da S. et al. Avaliação sensorial dos frutos de cultivares de abacaxi para consumo in natura. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, n. especial, p. 592-598, 2011.

CARVALHO, J. M. de et al. Bebida mista com propriedade estimulante à base de água de coco e suco de caju clarificado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25, n. 4, p. 813-818, 2005.

DUARTE, G. da R. Levantamento e caracterização das plantas alimentícias não convencionais do Parque Florestal de Monsanto-Lisboa. 2017. 99 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos)-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2017.

FAO (Food and Agriculture Organization). The secod Report on the state of the world’s plant genetic resources for food and agriculture. Roma: FAO, 2015.

FAO (Food and Agriculture Organization). Voluntary guidelines for the conservation and sustainable use of crop wild relatives and wild food plants. Roma: FAO, 2017.

KINNUP, V. F.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. 1. ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

LAWLESS, H. T.; HEYMANN, H. Sensory evaluation of food: principles and practices. 2. ed. New York: Springer Science & Business Media, 2010.

MAGDOFF, F.; VAN ES, H. Building soils for better crops: sustainable soil management. 3 ed. The Sustainable Agriculture Research and Education (SARE) Program, with funding from the National Institute of Food and Agriculture. US Department of Agriculture, 2009.

MOREIRA, J. N.; CORREIA, R. C. ; BRANDÃO, W. N. Cultivo da palma no semiárido. Instruções Técnicas da Embrapa Semiárido. EMPBRAPA, 2016.

RANIERI, G. R. et al. Guia prático de PANC – plantas alimentícias não convencionais. 1. ed. São Paulo: Instituto Kairós, 2017.

RAPOPORT, E. et al. Flora y vegetación de una localidad del sur de Mendoza, Argentina. Resultados de un estudio de impacto ambiental por actividades mineras. Multequina, Mendoza, v. 10, n. 1, p. 51-66, 2001.

SOARES, W. L.; PORTO, M. F. S. Estimating the social cost of pesticide use: an assessment from acute poisoning in Brazil. Ecological Economics, v. 68, n. 10, p. 2721-2728, 2009.

VASCONCELOS, A. C. et al. Processamento e aceitabilidade de pães de forma a partir de ingredientes funcionais: farinha de soja e fibra alimentar. Alimentação e Nutrição, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 43-49, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.326

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com