EXTRATIVISMO DO BUTIÁ NO MUNICÍPIO DE TAPES/RS: CONSERVAÇÃO E USO COMO ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

João Luis Silva Campos Junior, Rafaela Biehl Printes

Resumo


Desde 2017, a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade de Tapes, é instituição parceira da Rota Internacional dos Butiazais, projeto coordenado pela Embrapa Clima Temperado que conecta pessoas e promove uma rede de estímulos voltados à conservação in situ e uso sustentável da palmeira do gênero Butia em locais de ocorrência. Neste estudo, buscou-se identificar os extrativistas e artesãos envolvidos diretamente com a Rota, mapear as áreas de coleta da matéria-prima e registrar o preparo de alimentos e objetos produzidos com o uso da fibra, folhas, sementes e frutos. A área de estudo foi o município de Tapes, localizado às margens da planície costeira do Rio Grande do Sul (RS). Entre Tapes e Barra do Ribeiro, encontra-se o maior butiazal do Brasil, um ecossistema único que carece de práticas que conduzam ao manejo e conservação da espécie. Destaca-se o extrativismo de folhas e frutos da palmeira B. odorata em Tapes, pela diversidade de produtos e alimentos encontrados em épocas de frutificação. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de natureza qualitativa-quantitativa, com uso de método Snowball sampling e técnicas de entrevistas semiestruturadas, observação participante e mapeamento participativo das coletas realizadas como instrumento da análise de campo. Foram identificados dez extrativistas e artesãos pertencentes à Associação dos Produtores da Agricultura Familiar de Tapes (APAFTAPES), onde eles promovem o aprendizado, sendo multiplicadores de saberes, e comercializam seus objetos e alimentos a partir da matéria-prima coletada. Estas e outras ações asseguram o uso desse fruto pela conservação de espécies nativas e fortalecimento da Rota em Tapes, resultando, inclusive, na incorporação da polpa de butiá na merenda escolar do município através do Programa Nacional de Aquisição de Alimentação Escolar (PNAE) e promoção de eventos locais anuais, como a 1ª, 2ª e 3ª Semana de Atividades Sobre o Uso Sustentável do Butiá realizada desde 2018.


Palavras-chave


butiazal; espécies nativas; manejo; sociobiodiversidade; sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. Da ideologia do progresso à ideia de desenvolvimento (rural) sustentável. In: ALMEIDA, J.; NAVARRO, Z. Reconstruindo a agricultura: ideias e ideais na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável. 3. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2009. p. 33-55.

BARBIERI, R. L. et al. Vida no Butiazal. Brasília, DF: Embrapa, 2015.

BARBIERI, R. L. et al. Conservação e uso sustentável de Butia odorata na região do Litoral Médio do Rio Grande do Sul. Natureza em Revista, Porto Alegre, p. 8-15, 2016.

BARBIERI, R. L. A Rota dos butiazais no bioma Pampa: conectando pessoas e ecossistemas para a conservação e uso sustentável da biodiversidade. Pelotas, RS: Embrapa Clima Temperado, 2017. (Projeto não publicado).

BECKER, F. G.; RAMOS, R. A.; MOURA, L. de A. (org.). Biodiversidade: regiões da Lagoa do Casamento e dos butiazais de Tapes, planície costeira do Rio Grande do Sul. Brasília, DF: MMA: FZRS, 2006.

BERTOLDI, M. R.; BARON, L. Solidariedades entre a sociobiodiversidade e o desenvolvimento sustentável. Publica Direto. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria de Desenvolvimento Territorial no RS. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável – PTDRS: Território Centro-Sul. [S. l.]: MDA: Colegiado Territorial RS, [2008?].

BRASIL. Lei n. 11.947, de 16 de jun. de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília, DF, jun. 2009.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria Interministerial nº. 163, de 11 de maio de 2016. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 94, p. 58-60, 18 maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2020.

CAMPOS-JUNIOR, J. L. S. Extrativismo do Butiá no município de Tapes/RS: conservação pelo uso como alternativa para o desenvolvimento rural sustentável. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão Ambiental) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Tapes, 2018.

COELHO-DE-SOUZA, G. Extrativismo em área de Reserva da Biosfera da Mata Atlântica no Rio Grande do Sul: um estudo etnobiológico em Maquiné. 2003, iii, 202 f. Tese (Doutorado em Botânica) – Programa de Pós Graduação em Botânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2003.

COELHO-DE-SOUZA, G. et al. Sociobiodiversidade, soberania e segurança alimentar e nutricional: uma análise da governança do butiá. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA ROTA DOS BUTIAZAIS, 2, 2018, Pelotas. Anais.... Porto Alegre, RS: Embrapa Clima Temperado: UFRGS, 2018. p. 78-84.

CORREIA, D. et al. Etnobiologia Etnoecologia: pessoas & natureza na América Latina. São Paulo: Instituto de Biociências, 2010.

DAL SOGLIO, F. K. Desenvolvimento, agricultura e agroecologia: qual a ligação? In: GERRA, G. A. D.; WAQUIL, P. D. (Org.). Desenvolvimento rural sustentável no Norte e Sul do Brasil. Belém: Paka-Tatu. 2013.

GEYMONAT, G.; ROCHA, N. Butia: ecosistema único en el mundo. Castillos, Rocha, Uruguay: Casa Ambiental, 2009.

GRABHER, C. A governança e a sustentabilidade do extrativismo do jaborandi na Amazônia e transição para o cerrado e a caatinga. 2015. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2015.

IBGE Cidades. Rio Grande do Sul. Tapes. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 set 2020.

MARCHI, M. M.; BARBIERI, R. L.; SOSINSKI JÚNIOR, Ê. E. Recursos genéticos e a conservação in situ de ecossistemas de butiazais no Sul do Brasil. Revista RG News, [S.l], v. 5, n. 1, p. 1-4, 2019.

.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MUNHOZ, E. Biodiversidade na região do butiazal de Tapes: desafios e possibilidades para a conservação e o uso sustentável. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão Ambiental) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Tapes, 2017.

PACHECO, F. T. Micro Habitats de regeneração do Butia odorata na região dos butiazais de Tapes/RS. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão Ambiental) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Tapes, 2017.

PENROD, J. et al. A discussion of chain referral as a method of sampling hard-to-reach populations. Journal of Transcultural nursing, v. 14, n. 2, p. 100-107, 2003.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Certificação Ambiental Agroflorestal e Extrativista. Porto Alegre: Sema, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jun 2018.

RIVAS, M; BARBIERI, R. L. Boas práticas de manejo para o extrativismo sustentável do butiá. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2014.

ROSSATO, M.; BARBIERI, R.L. Estudo etnobotânico de palmeiras do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 1, 2007.

SCHNEIDER, S. Território, Ruralidade e Desenvolvimento. In: VELÁSQUEZ LOZANO, F.; MEDINA, J. G. F. (eds.). Las configuraciones de los territorios rurales en el siglo XXI. Bogotá: Editorial Pontifícia Universidad Javeriana, 2009, v. 1, p. 67-108.

SCHWARTZ, E. et al. Avaliação de populações de Butia Capitata de Santa Vitória do Palmar. Pelotas/RS, 2009.

SILVA, S. C. C. DA. Análise ambiental integrada da paisagem no município de

Tapes (RS), Brasil, como suporte ao gerenciamento costeiro. 2018. Tese (Doutorado em

Geociências) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2018.

SOARES, K. P. et al. Palmeiras (Arecaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil. Rodriguésia, v. 65, p. 113-139, 2014.

SOSINSKI, E. et al. Manejo conservativo: bases para a sustentabilidade dos Butiazais. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v5i1.327

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com