AS MULHERES SÃO MENOS CITADAS DO QUE OS HOMENS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS? UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE CITAÇÃO RELACIONADO AO GÊNERO NAS PESQUISAS EM ETNOBIOLOGIA

Juliana Loureiro Almeida Campos, Andrêsa Suana Argemiro Alves, Flávia Rosa Santoro

Resumo


A visibilidade de um artigo científico pode ser medida através do número de citações atribuído a ele, o qual pode ser influenciado por fatores como nacionalidade, autocitação, colaboração internacional, além de fatores relacionados ao gênero. Avaliamos se o comportamento de citação de artigos publicados em dois periódicos internacionais especializados em etnobiologia envolve um viés de gênero e se esse viés varia em relação ao continente da instituição de pesquisa e em relação a subárea de conhecimento etnobiológico. De forma geral, não encontramos diferenças significativas na média de citações recebidas em artigos publicados por homens e mulheres, porém tanto as últimas como os primeiros citam significativamente mais homens em suas publicações. Independente do continente, homens são significativamente mais citados que mulheres. Autores do gênero masculino citam colegas do mesmo gênero em todas as subáreas, enquanto autoras do gênero feminino das subáreas etnobotânica, etnoecologia e etnozoologia citam significativamente mais autores do gênero masculino. Nossos resultados podem estar associados a um menor número de publicações assinadas por mulheres nos continentes asiáticos e africanos, assim como em todas as subáreas da etnobiologia. Além disso, outras questões já discutidas em estudos anteriores também se relacionam com o padrão de citação observado, como o fato de homens ocuparem maiores cargos de liderança, obterem maior prestígio e possuírem maior acesso à programas de fomento à pesquisa. Os resultados obtidos neste trabalho devem ser vistos como um instrumento, ainda que incipiente, de discussão e fomento para o subsídio de programas e políticas capazes de estabelecer condições igualitárias de acesso, permanência e desenvolvimento de mulheres na ciência etnobiológica.


Palavras-chave


cientometria, bibliometria, produção científica, publicações, visibilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAS, A.; MUNEER, L. Women empowerment in South Asia: role of women in development of Pakistan. International Journal of Research in Humanities and Social Studies, v.6, n. 2, p. 42-49, 2019.

ALBUQUERQUE, U.P.; RAMOS, M.A.; Medeiros, M.F.T. Experiences of ethnobanists with publication: a fisrt approach. BioScience, v. 61, n. 9, p. 706-712, 2011.

ALBUQUERQUE, U.P. How to improve the quality of scientific publications in ethnobiology. Ethnobiology and Conservation, v. 2, n. 4, 2013.

ALBUQUERQUE, U.P.; SILVA, J.S.; CAMPOS, J.L.A.; SOUSA, R.S.; SILVA, T.C., ALVES, R.R.N. The current status of ethnobiological research in Latin America: gaps and perspectives. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 9, n.1, 2013.

ALVARENGA, L. Bibliometria e arqueologia do saber de Michel Foucault: traços de identidade teórico-metodológica. Ciência da informação, v. 27, n. 3, p. 253-261, 1998.

AYRES, M.; AYRES, M.; AYRES, D.L.; SANTOS, A.S. BioEstat 5.3: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Belém do Pará: Sociedade Civil Mamirauá, 2007.

BRASIL. 2019. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior 2018: notas estatísticas. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2020.

BEAUDRY, C.; LARIVIÈRE, V. Which gender gap? Factors affecting researchers’ scientific impact in science and medicine. Research Policy, n. 45, v .9, p. 1790-1817, 2016.

BORNMANN, L.; DANIEL, H. What do citation counts measure? A review of studies on citing behavior. Journal of Documentation, n. 64, v.1, p. 45–80, 2008.

CAMPOS, J.L.A.; SOBRAL, A.; SILVA, J.S.; ARAÚJO, T.A.S.; FERREIRA-JÚNIOR, W. S.; SANTORO, F.R.; SANTOS, G.C.; ALBUQUERQUE, U.P. Insularity and citation behavior of scientific articles in young fields: the case of ethnobiology. Scientometrics, n. 109, v. 2, p. 1037-1055, 2016.

CHADHURI, S. Women’s empowerment in South Asia and Southeast Asia: a comparative analysis. MPRA Paper, 2009.

COTROPIA, C.A.; PETHERBRIDGE, L. Gender disparity in law review citation rates. William & Mary Law Review, v. 59, n. 3, p. 771-812, 2018.

EUROPEAN UNION. 2019. She figures 2018. Disponível em: . Acesso em 07 out. 2020.

EYSENBACH, G. Citation advantage of open access articles. PLoS Biology, v. 4, n. 5, 2006.

FERREIRA-JÚNIOR, W.S. Reflections on the theoretical advance in ethnobiology: are we pointing to the wrong direction? Ethnobiology and Conservation, v. 9, 2020.

GALINDO, M.Z. Gender in science: the impact of equality policies in scientific institutions and practices: the case of Germany. Cadernos Pagu, v. 47, 2016.

GARGOURI, Y.; HAJJEM, C.; LARIVIERE, V.; GINGRAS, Y.; CARR, L.; BRODY, HARNAD, S. Self-selected or mandated, open access increases citation impact for higher quality research. PLoS One, v. 5, n. 10, 2010.

GAOUE, O.G.; COE, M.A.; BOND, M.; HART, G.; SEYLER, B.C.; MCMILLEN, H. Theories and major hypotheses in ethnobotany. Economic Botany, v. 71, n. 3, p. 269-278, 2017.

HANAZAKI, N. Why are we so attached to the “ethno” prefix in Brazil? Scientometrics, v. 103, n. 2, p. 545–554, 2015.

HOHENDORFF, J.V.; PEREIRA, A.S.; Koller, S.H. Nas “filas de espera”: tempo entre submissão e aceitação de manuscritos em periódicos brasileiros de psicologia. Trends in Psychology, v. 24, n. 4, p. 1329-1341, 2016.

IP, N.Y. Career development for women scientists in Asia. Neuron, v. 70, n. 6, p. 1029-1032, 2011.

KING, M.M.; BERGSTROM, C.T.; CORRELL, S.J.; JACQUET, J.; WEST, J. D. Men set their own cites high: Gender and self-citation across fields and over time. Socius, v. 3, 2017.

LARIVIÈRE, V.; NI, C.; GINGRAS, Y.; CRONIN, B.; SUGIMOTO, C.R. Bibliometrics: Global gender disparities in science. Nature News, v. 504, n. 7479, p. 211-213, 2013.

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

LORTIE C.J.; AARSSEN, L.W.; BUDDEN, A.E.; KORICHEVA, J.K.; LEIMU, R.; TREGENZA, T. Publication bias and merit in ecology. Oikos, v. 116, n.7, 1247–1253, 2007.

MALINIAK, D.; POWERS, R.; WALTER, B.F. The gender citation gap in international relations. International Organization, v. 67, n. 4, p. 889-922, 2013.

NARAYAN, L.; SHARMILA, B. Declining women labour force participation in India - causes and issues. ZENITH International Journal of Mutidisciplinarity Research, v. 9, n. 4, p. 294-309, 2019.

ALBORNOZ, M.; BARRERE, R.; MATAS, L.; SOKIL, L.O.Y.J. Las brechas de género en la producción científica Iberoamericana. Papeles del Observatorio, Buenos Aires, Argentina, v. 9, p.31-46, 2018.

OKEKE, I.N.; BABALOLA, C.P.; BYARUGABA, D.K.; DJIMDE, A.; OSONIYI, O.R. Broadening participation in the sciences within and from Africa: purpose, challenges, and prospects. CBE – Life Sciences Education, v. 16, n. 2, 2017.

OSBORN, M. Status and prospects of women in science in Europe. Science, v. 263, n. 5152, p. 1389-1391, 1994.

PROZESKY, H.; MOUTON, J. A gender perspective on career challenges experienced by Africans scientists. South African Journal of Science, v. 115, n. 3-4, p. 1-5, 2019.

R Development Core Team. 2015. A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. Vienna. URL http://www.R-project.org.

RAMOS, M.A.; MELO, J.G.; ALBUQUERQUE, U.P. Citation behavior in popular scientific papers: What is behind obscure citations? The case of ethnobotany. Scientometrics, v. 92, n. 3, p. 711–719, 2012.

RITTER, M.R..; SILVA, T.C.D.; ARAÚJO, E.L.; ALBUQUERQUE, U.P. Bibliometric analysis of ethnobotanical research in Brazil (1988-2013). Acta Botanica Brasilica, v. 29, n. 1, p. 113-119, 2015.

SHAH, T.A.; GUL, S.; GAUR, R.C. Authors self-citation behaviour in the field of Library and Information Science. Aslib Journal of Information Management v. 67, n. 4, p. 458–468, 2015.

SILVA, M.R.; HAYASHI, C.R.M.; HAYASHI, M.C.P.I. Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 2, n. 1, 110-129, 2011.

SILVA, T. C.; MEDEIROS, P. M.; HANAZAKI, N.; FONSECA-KRUEL, V. S.; HORA, J. S. L.; MEDEIROS, S.G. The role of women in brazilian ethnobiology: challenges and perspectives. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 15, n. 44, p. 1-11, 2019.

SOTERO, M.C.; ALVES, A.G.C.; ARANDAS, J.K.G.; MEDEIROS, M.F.T. Local and scientific knowledge in the school context: characterization and content of published works. Journal of Ethnobiology Ethnomedicine, v. 16, n. 23, 2020.

TAMALE, S.; OLOKA-ONYANGO, J. Bitches at the academy: gender and academic freedom at the African University. Africa Development, v. 22, n. 1, p. 13-37, 1997.

UNESCO (United Nations Education, Scientific and Cultural Organization). 2018. Women in Science. Unesco Institute for Statistics. Fact Sheet, nº 51. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2020.

VANZ, S.A.S.; CAREGNATO, S.E. 2003. Estudos de citação: uma ferramenta para entender a comunicação científica. Em Questão, v. 9, n. 2, p. 295-307.

WHO (World Health Organization). 2020. Africa’s Women in Science. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v6i2.371

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com