IYÁ MI OXORONGÁ: OLHARES SAGRADOS DO FEMININO NO CANDOMBLÉ

Ana Angélica Monteiro de Barros, Vitor Amorim Moreira de Azevedo

Resumo


A figura feminina detém uma força misteriosa que provoca, até os dias de hoje, fascínio e medo, características que estão intrinsecamente associadas às Iyá Mi Oxorongá, que são divindades que chegaram ao Brasil por meio da diáspora espiritual africana. Neste trabalho, pretende-se estabelecer a relação do culto das Iyá Mi com o matriarcado e o poder feminino no candomblé, buscando compreender o papel social e sagrado das sacerdotisas nos espaços religiosos, além de ratificar o protagonismo feminino nessa religião afro-brasileira. A abordagem qualitativa foi adotada para se discutir os mitos cosmogônicos de criação do mundo e da humanidade através das divindades Odudua e Obatalá. O referencial teórico se baseou na literatura especializada de livros e artigos buscados nas bases Google Scholar e SciElo. Essa análise foi complementada com a interpretação do mito que consta no primeiro verso do itan 204 do livro a “A Mitologia dos Orixás” de Reginaldo Prandi, que apresenta o arquétipo feminino das Iyá Mi Oxorongá, as Feiticeiras Ancestrais associadas à Odudua, a grande Mãe da Criação, e ao poder matriarcal das sacerdotisas do candomblé. Uma das versões do mito cosmogônico apresenta Odudua como a responsável por gestar o mundo usando a Igbá-Odu, a cabaça da existência, e a Obatalá de fazer surgir a humanidade. O culto a essas divindades é praticado no candomblé, onde Odudua está relacionada à ancestralidade feminina e a sua capacidade em gerenciar a vida e a morte. A análise desse mito permitiu mostrar essa simbologia vivenciada pelas Iyalorixás, mulheres que se destacam por assumir sua fé para manter unidos os elos das comunidades religiosas, que são espaços de resistência diante de uma sociedade culturalmente ocidentalizada e patriarcal. O mito das Iyá Mi está intimamente conectado a essa questão, ressaltando o olhar sagrado do poder feminino relacionado à condição de ser mulher.


Palavras-chave


Feiticeiras, Matrifocalidade, Mitos, Poder Feminino, Religiões Afro- Brasileiras.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, J. Bahia de Todos os Santos: guia de ruas e mistérios. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 429 p.

ARAÚJO, L. A. As marcas da diáspora negra na oralidade do candomblé baiano. Revista de Estudos Linguísticos, Literários, Culturais e da Contemporaneidade, Garanhuns, n. 18b – 03, p. 259-264, 2016.

BARROS, J. F. P. A floresta sagrada de Ossaim: os segredos das folhas. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2011. 228 p.

BARROS, J. F. P.; NAPOLEÃO, E. Ewé Orisá: uso litúrgico e terapêutico dos vegetais nas casas de candomblés Jêje-Nagô. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertran Brasil, 1999. 516 p.

BENISTE, J. Òrun – Àiyé: o encontro de dois mundos. Sistema de relacionamento nagô-yorubá entre o céu e a terra. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015. 335 p.

BENISTE, J. Mitos yorubás: o outro lado do conhecimento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016. 303 p.

BERNARDO, T. O candomblé e o poder feminino. Revista de Estudos da Religião, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 1-21, 2005.

BERTH, J. Empoderamento. 1. ed. São Paulo: Pólen, 2019. 184 p.

BERTH, J.; SANTOS, N. P.; MENEZES, N.; CAMPANARO, P. K. Empoderamento e feminismo negro: decolonizando epistemologias e mentalidades. Mandrágora, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 225-232, 2020.

BIRMAN, P. Fazer estilo criando gêneros: possessão e diferença de gênero em terreiros de umbanda e candomblé no Rio de Janeiro. 1. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará; EdUERJ, 1995. 204 p.

BONINE, E. Iaôs e equedes: quem são essas mulheres? Uma análise do papel da mulher no candomblé dito tradicional da cidade de São Paulo. Identidade!, São Leopoldo, v. 25, n. 1, p. 118-126, 2020.

CARNEIRO, S.; CURY, C. O poder feminino no culto aos Orixás. In: NASCIMENTO, E. L. (Org.). Guerreiras da natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008. p. 117-144.

COSSARD, G. O. Awô: o mistério dos Orixás. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2006. 229 p.

D’OBALUAYÊ, B. Iyá-Mi Oshorongá: poderosa deusa africana. 1. ed. Rio de Janeiro: Império da Cultura, 2013. 139 p.

DUARTE, Z. A tradição oral na África. Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, Recife, v. 15, n. 2, p. 181-189, 2009.

ELIADE, M. Imagens e símbolos: ensaios sobre o simbolismo mágico-religioso. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. 178 p.

FARIA, S. C. Damas mercadoras. As pretas minas no Rio de Janeiro (século XVIII a 1850). In: SOARES, M. C. (Org.). Rotas atlânticas da diáspora africana: da Baía do Benim ao Rio de Janeiro. 2. ed. Niterói: EDUFF, 2011. p. 101-135.

JAGUN, M. Ewé: a chave do portal. 1. ed. Rio de Janeiro: Litteria, 2019. 720 p.

JOAQUIM, M. S. O papel da liderança religiosa feminina na construção da identidade negra. 1. ed. São Paulo: EDUC, FAPESP, 2001. 187 p.

KILEUY, O.; OXAGUIÃ, V. O candomblé bem explicado: nações bantu, iorubá e fon. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2009. 367 p.

LANDES, R. A cidade das mulheres. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967. 316 p.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M.; TORRES, M. A. V.; BACHER, L. B. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. 1. ed. Nova Odessa: Plantarum de Estudos, 2003. 368 p.

MAKINDE, T. Motherhood as a source of empowerment of women in yoruba culture. Nordic Journal of African Studies, Uppsala, v. 13, n. 2, p. 164-174, 2004.

MARIOSA, G. S.; MAYORGA, C. Mulheres de tabuleiro/mulheres de terreiro: trajetórias de mulheres negras. Revista Escrita da História, Marília, v. 5, n. 9, p. 98-118, 2018.

MARTINS, A. A. As mil verdades de Ifá. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2012. 218 p.

MATORY, J. L. Feminismo, nacionalismo e a luta pelo significado do adé no candomblé: ou, como Edison Carneiro e Ruth Landes inverteram o curso da história. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 107-121, 2008.

MORIM, J. Terreiro Casa Branca. Ilê Axé Iyá Nassô Oká, 2014. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2020.

NOGUEIRA, R. Mulheres deusas: como as divindades e os mitos femininos formaram a mulher atual. 1. ed. Rio de Janeiro: Harper Collins, 2018. 159 p.

NOVAES, P. Herdeiras do ganho: mulheres negras, suas memórias transatlânticas e o mercado informal. In: NOVAES, P. (Org.). Ajeum: o sabor das deusas. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2017. cap. 3, p. 21-31.

OXALÁ, A. Igbadu: a cabaça da existência. Mitos nagôs revelados. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2014. 187 p.

PINHEIRO, E. N. O espetáculo das águas: um estudo sobre o ritual das águas de Oxalá do Axé Opô Afonjá – século XIX. 2008. 134 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2008.

PORTILHO, E. Matriarcado afreekana: narrativas cruzadas do ventre negro ao Brasil. 2019. 154 f. Dissertação (Mestrado em Relações Étnico-Raciais) - Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico Raciais, do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, 2019.

PRANDI, R. Mitologia dos Orixás. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 591 p.

RIBEIRO, R. I. Alma africana no Brasil: os iorubás. 1. ed. São Paulo: Oduduwa. 1996a. 148 p.

RIBEIRO, R. I. Mãe-negra: o significado iorubá da maternidade. 1996b. 222 f. Tese (Doutorado em Ciência Social - Antropologia da África Negra) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996b.

SANTOS, I. M. F. Iá Mi Oxorongá: as mães ancestrais e o poder feminino na religião africana. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 59-80, 2008.

SANTOS, J. E. Os nàgô e a morte: Pàde, àsèsè e o culto égun na Bahia. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 2012. 280 p.

SANTOS, J. S. M. “Mulheres de santo”: gênero e liderança feminina no candomblé. Revista NGANHU, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 47-58., 2018.

SERRANO, C.; WALDMAN, M. Memória d’África: a temática africana na sala de aula. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 328 p.

SIQUEIRA, M. L. Iyami, Iya Agbas: dinâmica da espiritualidade feminina em templos afro-baianos. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 22, p. 436-446, 1996.

SILVA, L. A. Mulheres quebradeiras de coco babaçu e movimentos sociais. Revista P2P & Inovação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 161-176, 2017.

SILVA, M. V. Gênero e religião: o exercício do poder feminino na tradição étnico-religiosa ioruba no Brasil. Revista de Psicologia da UNESP, Assis, v. 9, n. 2, p. 128-137, 2010.

SILVA, V. G. Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras: significados do ataque aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. Revista Mana, Rio de Janeiro v. 13, n. 1, p. 207-236, 2007.

SIQUEIRA, M. L. Iyami, Iya Agbas: dinâmica da espiritualidade feminina em templos afro-baianos. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 22, p. 436-446, 1995.

SIQUEIRA, M. L. Agô agô lonan: mitos, ritos e organização em terreiros de candomblé da Bahia. 1. ed. Rio de Janeiro: Mazza, 1998. 471 p.

SOARES, C. E. L. Comércio, nação e gênero: as negras minas quitandeiras no Rio de Janeiro 1835-1900. Revista Mestrado de História, Vassouras, v. 4, n. 1, p. 55-78, 2002.

SOUZA, D. B.; SOUZA, A. J. Itan: entre o mito e a lenda. Letras Escreve, Macapá, v. 8, n. 3, p. 99-113, 2019.

TORRES, D. A. Mulher nagô: liderança e parentesco no universo afro-brasileiro. 1. ed. Curitiba: Appris, 2015. 117 p.

VERGER, P. Grandeza e decadência do culto de Iyami Osorongá (Minha Mãe Feiticeira) entre os yorubá. In: MOURA, C. E. M. (Org.). As Senhoras do pássaro da noite. São Paulo: EDUSP, 1994. p. 13-72.

VERGER, P. Orixás: deuses iorubás na África e no novo mundo. 5. ed. Salvador: Corrupio, 2018. 308 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v6i2.396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com