PERCEPÇÕES DOS PESCADORES ARTESANAIS E A PESCA ACIDENTAL DE TARTARUGAS MARINHAS NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL BARRA DO UNA, PERUÍBE/SP

Gabriela Campos Zeineddine, Karine Soares de Oliveira, Milena Ramires, Walter Barrella, Juliana Placido Guimarães

Resumo


A captura acidental de tartarugas marinhas, além de ser prejudicial para suas populações, torna-se prejudicial para a atividade pesqueira, uma vez que reduz a captura de espécies-alvo, danifica os petrechos de pesca e aumenta o tempo da pescaria. Os pescadores artesanais possuem conhecimento sobre o ambiente e os recursos naturais que exploram; esse conhecimento pode auxiliar a literatura científica a respeito de comportamento, biologia, ecologia, classificação e história natural dos animais em questão. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a percepção dos pescadores da comunidade caiçara da Vila Barra do Una (Peruíbe, Estado de São Paulo, Brasil) quanto quais espécies de tartarugas marinhas interagem, de alguma forma, com a pesca artesanal. A coleta de dados se deu por entrevistas com o auxílio de um questionário semi-estruturado conduzido com questões relacionadas aos aspectos taxonômicos e biológicos de tartarugas, descrição da captura acidental de tartarugas, caracterização da pesca entre outras questões; também foram utilizadas imagens de tartarugas para avaliar o conhecimento local sobre as espécies encontradas na região. Os dados obtidos foram analisados qualitativamente e quantitativamente, buscando-se representar o consenso entre os informantes entrevistados. Foram entrevistados 38 pescadores artesanais locais, que relataram que já houve capturas acidentais de tartarugas marinhas durante a pesca, ocorrendo o emalhe das mesmas nas redes de pesca, principalmente durante o período do verão, quando ocorrem maiores atividades pesqueiras devido ao aumento de turistas na região. As tartarugas capturadas são na maioria vivas e devolvida são mar por não apresentarem valor comercial aos pescadores e por saberem da fiscalização. De modo geral, foi possível perceber que os pescadores da vila Barra do Una possuem conhecimentos sobre a taxonomia e biologia das tartarugas marinhas que habitam o litoral sul de São Paulo, mesmo com as limitações presentes e pelo fato de não estarem em contato direto com o animal, levando em consideração que as tartarugas marinhas não são uma espécie-alvo durante a pesca. Estudos de populações residentes em unidades de conservação são extremamente importantes para gerar novos subsídios para pesquisas, guiar os planos de manejo local, gestão ambiental, ecoturismo e conservação do ecossistema.


Palavras-chave


captura acidental; pesca artesanal; etnoecologia; Juréia Itatins

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U.P. et al. Methods and techniques in ethnobiology and ethnoecology. Humana Press 14: 24-27, 2016.

ANDREOLLI, T. et al. Ethnoecology of Lutjanidae (snappers) in a small-scale fishery (Bertioga–SP). UnisantaBioScience 3(1): 15-20, 2014.

BAHIA, N.C.F. e BONDIOLI, A.C.V. Interação das tartarugas marinhas com a pesca artesanal de cerco-fixo em Cananéia, litoral sul de São Paulo. Biotemas 23(3): 203-213, 2010.

BAPTISTOTTE, C. Tartarugas marinhas: Projeto TAMAR. Herpetologia no Brasil, 1: 19-24, 1994.

BARROS, J.A. et al. Análise da dieta de juvenis de tartaruga verde (Cheloniamydas) no extremo sul do Brasil. Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil. SEB. Minas Gerais: Caxambu. 2007. p 12-13.

BEAVERTON, R.J. Analysis of marine mammal-fisheries interactions. In: BEDDINGTON, J.J. et al. Marine mammals and fisheries. London: George Allen e Unwin, 1985. p.3-33.

BEGOSSI, A. Introdução à ecologia humana In: BEGOSSI, A. (Ed) Ecologia de Pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo Hucitec, 2004. p.1-36.

BEGOSSI, A. et al. Estudos de ecologia humana e etnobiologia: uma revisão sobre usos e conservação. In: ROCHA, C.F.D. et al. Biologia da Conservação. Rio de Janeiro: Rima, 2006. p.537-562.

BELLINI, C. et al Conservação e Pesquisa das Tartarugas Marinhas no Nordeste Brasileiro pelo Projeto Tamar, 2016.

BERTOZZI, C.P. Interação com a pesca: implicações na conservação da toninha, pontoporia blainvillei (cetacea, pontoporiidae) no litoral do estado de São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2009. 94p.

BIERNACKI, P. e WALDORF, D. Snowballsampling-problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods and Research 10: 141-163, 1981.

BOLTEN, A.B. Variation in sea turtle life history patterns: neritic vs. oceanic developmental stages. The biology of seaturtles 2: 243-257, 2003.

BOURCHEIT, A. Disponível em: http://pib.socioambiental.org/es/noticias?id=78808 acesso em 18 de Setembro de 2015.

BRAGA, H. O.; SCHIAVETTI, A. Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to conservation and bycatch of sea turtles (reptilia: testudines), Southern Bahia, Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 9: 2-15, 2013.

BRAGA, H. O. et al. Sharing fishers´ ethnoecological knowledge of the European sardines (Sardinapilchardus, Walbaum, 1792) in the westernmost fishing community in Europe. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine 13: 1- 52, 2017.

BRITO, T.P. et al. Conhecimento ecológico e captura incidental de tartarugas marinhas em São João de Pirabas, Pará, Brasil. Biotemas 28(3): 159-175, 2015.

BUGONI, L. et al. Marine debris and human impacts on sea turtles in southern Brazil. Marine pollution bulletin 42(12): 1330-1334, 2001.

CAMILLO, C.S. et al. Características da reprodução de tartarugas marinhas (Testudines, Cheloniidae) no litoral sul da Bahia, Brasil. Biota Neotropica 9(2): 131-138, 2009.

CARVALHO, R.H.D. Conhecimento local de pescadores em relação a conservação de tartarugas marinhas (Reptilia: Testudines) no Sul do Espírito Santo, Brasil. Tese de mestrado. Universidade Federal de Juiz de fora, Minas Gerais, 2014. 70p.

CARVALHO, R.H.D. et al. Attitudes towards conservation and fishing interaction with sea turtles in the southeast coast of Brazil. Ocean & Coastal Management 127: 55-62, 2016.

CHAN, E.H. et al. The incidental capture of sea turtles in fishing gear in Terengganu, Malaysia. Biological Conservation 43(1): 1-7, 1988.

CLAUZET, M et al. Etnoictiologia dos pescadores artesanais da praia de Guaibim, Valença (BA), Brasil Neotropical Biology and Conservation 2:136-154. 2007.

COSTA-NETO, E.M. e MARQUES, J.G.W. Conhecimento ictiológico tradicional e a distribuição temporal e espacial de recursos pesqueiros pelos pescadores de Conde, Estado da Bahia, Brasil. Etnoecológica 4(6): 56-68, 2000.

COSTA-NETO, E.M e MARQUES, J.G.W.A. A etnotaxonomia de recursos ictiofaunístico pelos pescadores da comunidade de Siribinha, Norte da Bahia, Brasil. Biociêcias 2(8): 358-386. 2000.

ECKERT, K.L. et al. Técnicas de Investigación y Manejo para laConservación de lãsTortugas Marinas. Grupo Especialista em Tortugas Marinas UICN/CSE. 4:1-270, 2000.

FRAZIER, J. Prehistoric and ancient historic interactions between humans and marine turtles. The biology of seaturtles 2:1-38, 2003.

GALLO, B. Ubatuba: entre a mata e o oceano. Revista do TAMAR, 4:13-14, 2001.

GROSSMAN, A. Biologia Reprodutiva de Chelonia mydas (Reptilia), na Reserva Biológica do Atol das Rocas. Dissertação (Mestrado em Zoologia de Vertebrados). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, UFRGS. 2001. 83p.

HUNTINGTON, H.P. Using Traditional Ecological Knowledge in Science: Methods ans Applications. Ecological Applications 10(5): 1-7, 2000.

ICMBIO – INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Guia de Licenciamento Tartarugas Marinhas: diretrizes para avaliação e mitigação de impactos de empreendimentos costeiros marinhos. Brasília: ICMBIO, 2017. 23p.

IUCN, IUCN red list of threatened species.Version 2013.2. . Downloadedon 21 January 2016.

LOPES, P.F.M. et al. Da biologia a etnobiologia – taxonomia e etnotaxonomia, ecologia e etnoecologia. In: ALVES, R.R.N et al. A etnozoologia no Brasil: importância, status atual e perspectivas. Recife: NUPEEA, 2010. Pag.67-94.

LOSEY, G.S. et al. Cleaning symbiosis between the wrasse Thalassoma duperrey, and the green turtle Cheloniamydas. Copeia, 1:684-690. 1994.

MARCOVALDI, M.A. et al. Brazilian plan for reduction of incidental capture in fisheries. Marine Turtle Newsletter 96: 24-25. 2002.

MARCOVALDI, M.A. et al. Nesting and conservation management of hawksbill turtles (Eretmochelysimbricata) in northern Bahia, Brazil. Chelonian Conservation and Biology 3(2): 301-307.1999.

MARQUES, J.G. Pescando pescadores: ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. 2ª ed. São Paulo: NUPAUB - USP, 2001. 258p.

MARQUES, J.G. Aspectos ecológicos na etnoictiologia dos pescadores do Complexo Estuarino – Lagunar Mandaú – Manguaba, Alagoas. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Brasil, 1991, 296p.

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lista nacional oficial de espécies da fauna ameaçadas de extinção. Portaria Nº 444, de 17 de Dezembro de 2014. Diário Oficial da União de 18 de dezembro de 2014

MORTIMER, J.A. e DONNELLY, M. IUCN Red List status assessment, hawksbill turtle (Eretmochelysimbricata). Marine Turtle Specialist Group. 2007.

NAKASHIMA, S.B. Dieta da tartaruga-verde, CheloniamydasLinnaeus, 1758 (Testudines, Cheloniidae), no litoral norte do Rio Grande do Sul. Tese de doutorado. Pontifica Universidade Catolica do Rio Grande do Sul, Brasil, 2008. 39p.

MAGNUSSON, J.J et al. Decline of sea turtles: causes and prevention. National Research Council. Washington: Academy Press, 1990. 178p.

NETTO, S.L. e MATEUS, L.A.F. "Comparaçao entre a pesca profissional—artesanal e pesca amadora no Pantanal de Cáceres, Mato Grosso, Brasil." Boletim do Instituto de Pesca 35(3): 373-387. 2007.

NEWING, H. Conducting research in conservation: Social science methods and practice. New York: Routledge, 2011. 375p.

NUNES, A.G. Variação genetica em Salminushilarii (Valenciennes, 1849) na região do Alto Rio São Francisco, MG e contribuições para conservação do grupo. Tese de mestrado. Universidade federal de são Carlos, São Paulo, 2011. 54p.

ORAVETZ, C.A. Reducing incidental catch in fisheries. In: Eckert, K.A. et al. Research and Management Techniques for the Conservation of Sea Turtles. IUCN/SSC: Marine Turtle Specialist Group Publication. 1999. p 189-19

PAZ, V. e BEGOSSI, A. Ethnoichthyology of Gamboa Fishermen of Sepetiba Bay, Brazil. Journal of Ethnobiology 16(2): 157-168. 1996.

PLOTKIN, P. Adult migrations and habitat use. The biology of sea turtles 2: 225-241, 2003.

PIRES, O. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2016/11/vilarejo-de-peruibe-sp-fica-inacessivel-por-falta-de-reparos-em-estrada.html. Acesso em: 18 mar 2018.

PUPO, M.M. et al. Captura incidental de tartarugas marinhas na pesca artesanal da Ilha de Santa Catarina, SC. Biotemas, 19 (4): 63-72, 2006.

RAMIRES, M. e BARRELA, W. Ecologia da pesca artesanal em populações caiçaras da Estação Ecológica de Juréia-Itatins, São Paulo, Brasil. Interciencia 28(4): 208-213, 2003.

REES, A.F. et al. Are we working towards global research priorities for management and conservation of sea turtles? Endangered Species Research 31: 337-382, 2016.

SALES, G. et al. Incidental catch of sea turtles by the brazilian pelagic longline fisher. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom 88(4): 853-864, 2008.

SANCHES, T.M. e BELLINI, C. Juvenile Eretmochely simbricataand Cheloniamydasin the Archipelago of Fernando de Noronha, Brazil. Chelonian Conservation and Biology 3(2): 308-311, 1999.

SANTANA, W.M. et al. Primeiro registro de nidificação de tartarugas marinhas das espécies Eretmochelysimbricata (Linnaeus, 1766) e Lepidochelysolivacea (Eschscholtz, 1829), na região da Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba, Piauí, Brasil. Pan-American Journal of Aquatic Sciences 3(4): 369-371, 2009.

SAZIMA, C. Associações alimentares em peixes recifais, com destaque em espécies nucleares e seguidoras. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho, Rio Claro, São Paulo, 2006. 125p.

SILVA, A.C.D. et al. Em preparação. Post-nesting movements of olive ridleys sea turtles (Lepidochelysolivacea) in Brazil. 37-56p.

SILVA, F.O. Conhecimento tradicional e etnoconservação de cetáceos em comunidades caiçaras no Município de Cananéia, litoral Sul de São Paulo. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007. 98p.

SILVA, V.A. et al. Técnicas para análise de dados etnobiologicos. IN: et al. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife, PE: NUPEEA. 2010. Pag. 4-17.

SILVANO, R.A.M. e BEGOSSI, A. Ethnoichthyology and fish conservation in the Piracicaba River, Brazil. Journal of Ethnobiology 22 (2): 107-127. 2002.

SILVANO R.A.M. Pesca artesanal e etnoictiologia. Ecologia de Pescadores da Mata atlântica e da Amazônia. São Paulo: Hucitec, 2004. Pag. 185-220.

SILVANO, R.A.M. e BEGOSSI, A. Fishermen's local ecological knowledge on Southeastern Brazilian coastal fishes: contributions to research, conservation, and management. Neotropical Ichthyology 10(1):133-147, 2012.

SILVANO, R. A. et al. When does this fish spawn? Fishermen’s local knowledge of migration and reproduction of Brazilian coastal fishes. Environmental Biology of Fishes 76: 371-386, 2006.

SOUZA, C.G. e SOUZA, A.P. Geologia e geomorfologia da área da Estação Ecológica Juréia-Itatins. In: MARQUES, O.A.V. e DULEBA, W. Estação Ecológica Juréia-Itatins. Ambiente físico, flora e fauna (OAV Marques & W. Duleba, eds.). Ribeirão Preto: Holos Editora, 2004. 16-33p.

STEIGLEDER, K.M. Percepção de pescadores artesanais sobre a interação da pesca com as tartarugas marinhas no Litoral Sul do Brasil. 2011. Tese de doutorado. Universidade federal do rio grande do sul, Imbe, 2011. 198p.

THOMÉ, J.C. et al. Nesting biology and conservation of the leatherback sea turtle (Dermochelyscoriacea) in the State of Espírito Santo, Brazil. Chelonian Conservation and Biology 6(1): 15-27, 2007.

WALLACE, B. P. et al. Conservação global prioridadesparatartarugasmarinhas. PLoS One 6:1-14, 2011.

WETHERALL, J. A. et al. Bycatches of marine turtles in North Pacific high-seas driftnet fisheries and impacts on the stocks. International North Pacific Fisheries Commission Bulletin 53(3): 519-538.1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v3i0.60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

ISSN 2448-1998

www.ethnoscientia.com